Energia Ex-secretário de Estado da Energia diz que rendas excessivas continuam "intocadas"

Ex-secretário de Estado da Energia diz que rendas excessivas continuam "intocadas"

O ex-secretário de Estado da Energia, Henrique Gomes, volta a criticar o Governo do qual fez parte no que respeita às rendas no sector energético que, diz ao Económico, continuam intocadas.
Ex-secretário de Estado da Energia diz que rendas excessivas continuam "intocadas"
Bruno Simão
Negócios 15 de maio de 2015 às 07:40

"Um escândalo". É como Henrique Gomes classifica o preço médio de venda da EDP Renováveis em Portugal em comparação com Espanha e Estados Unidos. Enquanto nestes mercados, o preço é de 45 euros por megawatt/hora, em Portugal é quase 108 euros. O que o ex-secretário de Estado classifica de "escândalo". E serve para argumentar que "as rendas excessivas" no sector da energia "continuam intocadas".

Num artigo de análise escrito para o Diário Económico, Henrique Gomes, ex-secretário de Estado da Energia do actual Governo, volta a atacar o que foi feito neste sector. Já por várias vezes Henrique Gomes criticou as rendas excessivas. Volta a fazê-lo, para dizer que o Governo "em vez do corte das rendas e redução de custos, o Governo aumentou os preços da energia aos consumidores".

Faz as contas para dizer que em vez dos cortes que o Governo reclama de 4,4 mil milhões de euros até 2020 nessas rendas, o que se conseguiu cortar foram 1.600 milhões, tendo conseguido, por outro lado, uma receita adicional com a contribuição extraordinária (CESE) de 200 milhões. "No total teremos 1.800 milhões que se contrapõem aos 4.400 milhões de euros que o Governo reclama", escreve o ex-governante.

E é por isso que Henrique Gomes critica o que diz ser "a obsessão esverdeada actual" do Governo. "A energia renovável tem sobrecustos. Até agora, os sobrecustos do nosso percurso já totalizam os dez mil milhões de euros! Vamos continuar neste percurso suicida?", questiona.




pub