Energia Preço do gás natural desce 6,1% para as famílias  

Preço do gás natural desce 6,1% para as famílias  

O preço do gás natural para as famílias desce 6,1% a partir do dia 1 de Maio no mercado regulado e os consumidores que estão no liberalizado também devem beneficiar desta redução do custo da energia nos mercados internacionais.
Preço do gás natural desce 6,1% para as famílias  
Bloomberg
Negócios 01 de maio de 2016 às 11:06

A par da descida de 6,1% para os consumidores domésticos (com consumos abaixo dos 10.000 metros cúbicos), os preços do gás natural baixam 7,5% para os consumidores empresariais (baixa tensão acima dos 10.000 metros cúbicos) e 10,2% para os consumidores industriais (média tensão).

 

Esta primeira descida dos preços aplica-se de imediato aos consumidores que ainda não migraram para o mercado livre, a que é aplicada a tarifa transitória, definida pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE); enquanto no liberalizado, a decisão de fazer este ajustamento fica na mão do fornecedor de gás natural.

 

Caso não aconteça, os consumidores podem sempre pedir a revisão das condições contratuais ou mudar de fornecedor de gás natural.

 

Já na segunda descida do preço do gás natural, a partir de 01 de julho (e em vigor até 30 de junho de 2017), os preços descem para todos os consumidores de gás natural (cerca de 1,4 milhões), devido à redução das tarifas de acesso às redes determinada pela ERSE.

 

As descidas serão de 13,3% para os consumidores domésticos, 14,6% para os empresariais e 20,2% para os consumidores industriais.

 

As tarifas de acesso às redes são aplicadas diretamente aos comercializadores que as transmitem aos consumidores finais nas faturas de fornecimento, pelo que esta redução se reflete na fatura de todos os consumidores de gás natural que estejam no mercado regulado ou no mercado liberalizado.

 

No global, a partir de julho, a descida acumulada será de 18,5% para os consumidores domésticos, 21,1% para os consumidores empresariais e 28,4% para os consumidores industriais.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 01.05.2016

Os portugueses que nao vao em cantigas,porque vem ja ai um imposto para recuperar esta baixa.Os rebucados deste governo traz um sabor amargo dentro em breve.Criar este peso estatal nao permite dar o que quer que seja aos portugueses.

pub