Energia Rui Rio critica Governo por não cumprir promessa sobre preço dos combustíveis

Rui Rio critica Governo por não cumprir promessa sobre preço dos combustíveis

O líder do PSD, Rui Rio, criticou hoje o Governo por não estar a cumprir o que prometeu quanto ao preço dos combustíveis, considerando que teria obrigação de baixar o Imposto sobre os Combustíveis (ISP).
Rui Rio critica Governo por não cumprir promessa sobre preço dos combustíveis
Fernando Veludo/Lusa
Lusa 28 de maio de 2018 às 15:38

"O que este Governo fez foi aumentar o ISP, dizendo que o consumidor não pagava mais porque o preço do petróleo estava barato e que se subisse baixava o imposto. Aquilo que aconteceu é que o preço do petróleo não para de subir e o Governo, ao contrário do que prometeu, não baixa o imposto", afirmou Rio aos jornalistas, à margem de um encontro com a direcção do Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados.

 

"[O Governo] Baixou uma vez [o imposto], mas muito pouco", disse, considerando que "o que está aqui em causa não é se o imposto é alto ou baixo, mas o Governo ter feito uma promessa que não está a cumprir. Este é que é o ponto fundamental".

 

Para Rio, "um governo, quando faz uma promessa ou assume um compromisso, tem por obrigação assumi-la até ao fim".

 

Os camionistas cumprem hoje uma paralisação, iniciada às 08:00, para reclamar a regulamentação do sector e a indexação do preço dos transportes ao dos combustíveis.

 

A Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) já disse hoje que o Governo "manifestou abertura" para discutir algumas das propostas apresentadas pelo sector.

 

No final de uma reunião no Ministério do Planeamento e Infraestruturas, que tem a tutela dos Transportes - e que contou também com a presença da Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) -, Márcio Lopes da ANTP disse aos jornalistas que o Governo se comprometeu a criar um grupo de trabalho para discutir as propostas para o sector.

 

"Isto não vai acontecer nem hoje nem amanhã nem em dias, algumas situações podem demorar meses", disse o responsável, referindo que os promotores da paralisação irão agora reunir-se para decidir se a acção iniciada hoje se mantém ou se será suspendida após as garantias dadas pela tutela.

 

O primeiro encontro com o Governo, no domingo à noite, tinha sido inconclusivo e manteve a paralisação.

 

A paralisação pretende reclamar a regulamentação do sector, a criação de uma Secretaria de Estado dedicada exclusivamente aos Transportes, a obrigatoriedade de pagamento no período máximo de 30 dias e a criação de um mecanismo para que a inflação também seja reflectida no setor dos transportes.

 

De acordo com Márcio Lopes, o caderno de reivindicações inclui ainda que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, reflectido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.

 

"A iniciativa não partiu da associação, mas é a associação que está a dar voz ao desagrado dos camionistas e dos empresários, muitos associados da ANTP", explicou o dirigente associativo, adiantando que a acção de protesto deverá decorrer nas estradas "de norte a sul do país, e nas zonas de fronteira".

 




pub