Imobiliário Fundador do Bloco quer "reflexão" no partido sobre caso Robles

Fundador do Bloco quer "reflexão" no partido sobre caso Robles

Luís Fazenda admite que polémica actividade imobiliária do vereador "tem aspectos que carecem de uma análise mais longa e cuidada" e que "a situação é mais adversa" para abordar os temas da especulação e gentrificação.
Fundador do Bloco quer "reflexão" no partido sobre caso Robles
António Larguesa 30 de julho de 2018 às 09:47

O fundador e dirigente do Bloco de Esquerda, Luís Fazenda, sustenta que o partido deve "fazer uma reflexão e tirar conclusões" sobre o caso de especulação imobiliária que envolve o vereador lisboeta Ricardo Robles, que se vinha notabilizando precisamente pelo combate a este tipo de práticas devido aos efeitos no mercado da habitação.

 

Em declarações ao jornal i, o ex-líder parlamentar do Bloco admite que este tipo de actividades – a compra de um imóvel em Alfama por 347 mil euros para, quatro anos depois, ser colocado à venda recuperado por 5,7 milhões de euros – são "circunstâncias que, no Bloco de Esquerda, [são condenadas] e que levam à gentrificação".

 

Rejeitando que o partido saia "diminuído" deste caso, Fazenda reconhece que "a situação é mais adversa" para abordar um tema que tem marcado a agenda política da vereação bloquista. Sublinha que o caso "tem aspectos que carecem de uma análise mais longa e cuidada" e reforça que "as avaliações que faremos vão ter em conta as várias opiniões e a forma como este processo foi entendido".

 

As avaliações que faremos vão ter em conta as várias opiniões e a forma como este processo foi entendido. luís fazenda, fundador e dirigente do bloco de esquerda

 

A reacção deste dirigente que participou na fundação do Bloco em 1999 com Francisco Louçã, Fernando Rosas e Miguel Portas, acaba por trazer um tom diferente ao debate interno sobre o caso do vereador que na sequência das últimas eleições autárquicas, realizadas em Outubro de 2017, firmou um acordo com o Executivo camarário liderado pelo socialista Fernando Medina. E que, logo na primeira reacção em conferência de imprensa, reclamou que "não há nada de reprovável na [sua] conduta".

 

"Mentiras", prazos e alojamento local

 

Enquanto um comunicado da comissão política frisou que "a conduta de Ricardo Robles em nada diminui a sua legitimidade na defesa das políticas públicas que tem proposto e continuará a propor", a coordenadora do partido, Catarina Martins, resolveu fazer a defesa do vereador do partido classificando as notícias sobre este caso de "mentiras", acrescentando que toda esta polémica surge porque "o que o BE está a fazer está a incomodar interesses imobiliários".

 

Ao mesmo jornal, o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários acusou Ricardo Robles de ter convertido aquele prédio no centro histórico da capital para "promover o alojamento local". "Só isso é que explica a utilização de um prédio que está dividido em apartamentos entre 20 a 40 metros quadrados", referiu Menezes Leitão, argumentando que "ninguém está a pensar em fazer um contrato de longa duração num apartamento com uma tipologia tão pequena".

Ainda relativamente a este caso, o CM noticia que o vereador do Bloco de Esquerda falhou o prazo de 60 dias para comunicar à Autoridade Tributária as obras realizadas no prédio que comprou em Alfama, junto ao Museu do Fado, para efeitos de actualização do valor patrimonial tributário (VPT), um elemento crucial ao apuramento do valor do IMI a pagar ao Estado.




pub