Imobiliário Quem é o empresário que vai controlar a Comporta

Quem é o empresário que vai controlar a Comporta

Pedro Almeida fez carreira no negócio dos petróleos. Chegou a ser sócio de Patrick Monteiro de Barros na Sigmoil, cuja criação teve a ajuda de Ricardo Salgado. Desde 2009 tem diversificado investimentos. Financiou o Prego Gourmet, é accionista do Observador e quer a Comporta.
Quem é o empresário que vai controlar a Comporta
Patrick Monteiro de Barros foi sócio de Pedro Almeida na Sigmoil
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 11 de julho de 2017 às 00:01
Tem 70 anos e trabalhou quase toda a vida na indústria petrolífera. Agora, Pedro Almeida vai entrar no negócio da promoção e desenvolvimento turístico, com a compra da maioria do capital do fundo imobiliário da Herdade da Comporta.

Ao longo da sua carreira, o empresário, que em 2009 fundou a sua própria empresa de "trading" de petróleo e navegação, a Ardma, foi-se cruzando com antigos responsáveis do Grupo Espírito Santo (GES). E mantém relações cordiais com vários membros da família que controlava a Herdade da Comporta, até ao colapso do GES em 2014.

Durante vários anos trabalhou com Patrick Monteiro de Barros (na foto), que conheceu no final dos anos 1970, quando Almeida estava na Petrogal, hoje Galp Energia. O amigo de Ricardo Salgado, que chegou a ser accionista e administrador da Espírito Santo International, contratou-o para trabalhar na Philip Brothers, empresa que operava no negócio de "trading" de petróleo.

É já nos primeiros anos da década de 1980 que Almeida e Monteiro de Barros se tornam sócios, juntamente com Jean Claude Gandur e Andreas Dossembach. Criaram a Sigmoil Resources, "trading" de petróleo com sede em Genebra.

O lançamento da empresa, em 1984, conta com o apoio do antigo líder do GES. "Ricardo Salgado, recém-chegado do Brasil, põe à sua disposição [de Monteiro de Barros] a Gestar, uma empresa do GES especializada na criação de sociedades, liderada por Roland Cottier, que trata de todos os assuntos administrativos, aluguer e apetrechamento do escritório, bem como do recrutamento de pessoal de secretariado", conta o livro "Patrick Monteiro de Barros, Uma Vida à Bolina".

Pedro Almeida acaba por sair para a Addax, empresa de exploração de petróleo independente, de que se torna accionista e que em 2009 é vendida por 7,3 mil milhões de dólares, como noticiou o Público na altura. Desde então, o empresário gere a Ardma, que tem sede em Genebra e negócios em Portugal.

 

Além de desenvolver actividade na área do "trading" de petróleo e da navegação, nos últimos anos, Pedro Almeida investiu noutras áreas, desde o imobiliário à restauração, passando pela comunicação social. A Ardma Imobiliária, sociedade através da qual vai adquirir a Herdade da Comporta, foi criada em Julho do ano passado.

 

O empresário foi um dos principais financiadores da cadeia de "fast food" Prego Gourmet, projecto iniciado em 2010. E é também um dos accionistas de referência do jornal online Observador

 

Nascido em Coimbra, Almeida tem residência na Suíça. É casado, tem três filhos e é avô.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR 11.07.2017

É EVIDENTEMENTE UM TIPO DO SISTEMA. QUEM É OU FOI AMIGO OU TÃO PRÓXIMO DE MONTEIRO DE BARROS E DE RICARDO SALGADO, NÃO DEVE SER GRANDE COISA. O FUTURO DIRÁ. UMA COISA É CERTA: MAIS UMA VEZ A TRANSPARÊNCIA É NENHUMA O QUE JÁ É UM PÉSSIMO SINAL.

Anónimo 11.07.2017

SERÁ RICARDO SALGADO É SÓCIO? TANTA AMIZADE . NESTE POBRE PAÍS TUDO PODE ACONTECER...

Luis 11.07.2017

E vai devolver o que era do amigo, ao amigo, por... quem adivinha?

Anónimo 11.07.2017

Que banco vai pagar este negócio ?

ver mais comentários
pub