Indústria Antiga fábrica da Triumph prevê despedir 150 trabalhadores em Loures

Antiga fábrica da Triumph prevê despedir 150 trabalhadores em Loures

O grupo parlamentar do PS reclama a intervenção do Governo para evitar o corte de 30% dos empregos na unidade de roupa interior e fatos de banho de Sacavém, comprada há pouco mais um ano pela Têxtil Gramax Internacional.
Antiga fábrica da Triumph prevê despedir 150 trabalhadores em Loures
Alexander Schwarz, fundador da Gramax Capital, fotografado na fábrica da TGI em Loures.
António Larguesa 12 de dezembro de 2017 às 17:15

A Têxtil Gramax Internacional (TGI) apresentou um plano de reestruturação para a antiga fábrica da Triumph, localizada no concelho de Loures, em que "aponta para a redução de 150 postos de trabalho". A denúncia é feita pelo grupo parlamentar do PS, aludindo às "fortes e legítimas preocupações" dos trabalhadores, que podem ficar "lesados no seu legítimo direito constitucional ao trabalho".

 

Os deputados socialistas Ricardo Leão, Susana Amador, Diogo Leão e Vitalino Canas asseguram que, através do sindicato do sector e dos trabalhadores, tiveram conhecimento de que a administração da TGI "alega não ter carteira de clientes para fazer face aos custos existentes", denunciando ainda que "muitos dos funcionários encontram-se em casa há já algum tempo por não existir fluxo de trabalho". O Negócios está a tentar contactar a administração da TGI, ainda sem sucesso.

Na sequência da decisão da Triumph de desinvestir na produção industrial em Portugal, tomada em meados de 2015, a antiga fábrica de roupa interior da multinacional em Sacavém acabou por ser comprada em Setembro do ano seguinte pela Gramax Capital. O grupo de investimento fundado em 2011 por Alexander Schwarz e Achim Pfeffer, com sede na Suíça e na Alemanha, garantiu na altura a manutenção dos cerca de 500 postos de trabalho e a continuidade da empresa, que facturou perto de 20 milhões de euros no ano passado.

 

A administração da Têxtil Gramax Internacional alega não ter carteira de clientes para fazer face aos custos existentes. Muitos dos funcionários encontram-se em casa há já algum tempo por não existir fluxo de trabalho. nota do grupo parlamentar do ps

A 4 de Janeiro deste ano, Manuel Pereira, o presidente executivo da TGI, sociedade portuguesa de capital suíço, anunciou um investimento de mais de um milhão de euros para modernizar a unidade têxtil, que abrange perto de 13 mil metros quadrados. Fê-lo perante o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, que falou numa "viragem positiva" e numa "alteração de quadro" por parte de uma "empresa que estava a sair do país, ia desinvestir e que se tinha resignado a não encontrar alternativas".

 

"Foi reconhecido pelos novos investidores que havia aqui uma capacidade de produção interessante, uma resposta em tempo rápido que era possível desenvolver e uma qualidade de produção difícil de encontrar noutras partes do mundo. Hoje temos uma empresa que, em vez de estar a fechar, está a investir. Está a criar novos postos de trabalho, está a dar formação aos trabalhadores em novas áreas e tem já um leque novo de clientes que garante um futuro interessante para esta empresa", sustentou então o governante.

 

PS pede apoios públicos

 

Lembrando precisamente "o esforço" colocado por Caldeira Cabral nessa fase para manter aquele meio milhar de empregos – é o maior empregador deste concelho do distrito de Lisboa –, os deputados do PS questionam a tutela sobre "quais as medidas que podem ser adoptadas para evitar a redução destes postos de trabalho" e que "medidas de apoio a esta unidade fabril podem ser desenvolvidas, utilizando todos os mecanismos de apoio estatal, para inverter esta realidade".

 

Há menos de um ano, nessa mesma visita à unidade industrial, também o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, destacava que "esta fábrica não só [continuava] a funcionar, como [alargava] as suas perspectivas de futuro, numa forma que [lhe] dava a segurança de poder vir a ter durante muitos e bons anos esta fábrica têxtil a funcionar no concelho" em que o comunista acabou por ser reeleito nas últimas eleições autárquicas.

A nota pública sobre as dificuldades da TGI surge poucos dias depois de o Negócios noticiar que se apresentaram à insolvência várias empresas do grupo Ricon, que detém a rede de lojas Gant em Portugal e emprega quase 800 trabalhadores. Pedro Pidwell, gestor de insolvência da "holding" do BES ou da construtora Soares da Costa, foi escolhido pelo Tribunal de Comércio de Vila Nova de Famalicão para acompanhar este processo.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Grasshopper 19.12.2017

Também a TGI está com ameaça de insolvência.
Este é o portefolio da Gramax Capital onde podemos encontrar referencias a TGI e a CS Schmal.
http://www.gramax-capital.com/download/Gramax_Capital_Company_Presentation.pdf

Tudo indica que se trata de mais um golpe do gafanhoto.

Grasshopper 19.12.2017

Grasshoppers são empresas que assumem outras empresas com o único propósito de obter o máximo possível delas. A suspeição sugere que Gramax Capital é um gafanhoto. É o que acontece com a CS Schmal que se tornou uma presa. https://www.rheinpfalz.de/lokal/kusel/artikel/kommentar-heuschrecke-am-werk/

Anónimo 14.12.2017

Neste momento não são apenas 150 trabalhadores em risco de perder os postos de trabalho.
Está anunciada uma possível insolvência a ser declarada durante a próxima semana.
Será o desaparecimento de mais uma empresa têxtil do nosso país e a perda de trabalho de mais de 460 trabalhadores.

Mais uns milhoes e fica resolvido o cancer. 13.12.2017

E so vigarices, com estes cornos das politicas a entregar nas maos dos ladroes os milhoes que todos vamos pagar. Mas como diz meu Avo, nada de novo neste paizeco da treta que so serve para encher a peida das escumalhas politicas.

ver mais comentários
pub