Indústria Comissão Europeia questiona Portugal sobre compra da Efacec por Isabel dos Santos

Comissão Europeia questiona Portugal sobre compra da Efacec por Isabel dos Santos

A Comissão Europeia (CE) questionou as autoridades portuguesas sobre a venda de 66,1% da Efacec à empresária angolana Isabel dos Santos, no âmbito da legislação europeia de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
Comissão Europeia questiona Portugal sobre compra da Efacec por Isabel dos Santos
Paulo Duarte
Lusa 13 de fevereiro de 2016 às 11:59

De acordo com uma nota a que a Lusa teve hoje acesso e datada de quinta-feira, no passado dia 05 de Fevereiro a comissária europeia Vera Jourova informou os eurodeputados do Intergrupo do Parlamento Europeu sobre Integridade e Transparência, Corrupção e Crime Organizado, que a Comissão questionou Portugal sobre "a conformidade da compra da empresa portuguesa Efacec por Isabel dos Santos, filha do presidente angolano José Eduardo dos Santos".

 

Em Outubro de 2015, os deputados enviaram para a Comissão Europeia (CE), a Autoridade Bancária Europeia (ABE) e o Grupo de Acção Financeira (GAFI) uma carta a solicitar a investigação sobre a legalidade da compra da Efacec por Isabel dos Santos e dirigiram uma pergunta ao Banco de Portugal (BdP) a este propósito, refere a nota.

De acordo com as regras da União Europeia, as entidades portuguesas, nomeadamente, as instituições financeiras envolvidas na operação, "têm o dever legal de executar diligência reforçada sobre quaisquer operações que envolvam Pessoas Politicamente Expostas (PEP na sigla inglesa) - ou seja, o dever de estabelecer a origem dos fundos de PEP estrangeiros, ter uma imagem clara de como o PEP adquiriu a riqueza, de forma geral, ou para o negócio particular em que estão envolvidos", refere o documento.

Os eurodeputados tinham pedido ao Banco Central Europeu (BCE), à CE e à ABE, enquanto agentes da supervisão da integridade do sistema financeiro europeu, para determinarem se o BdP - a autoridade de supervisão nacional - e as instituições financeiras em causa estariam a cumprir a legislação europeia no que respeita a esta aquisição, bem como a outras participações significativas de Isabel dos Santos em empresas em Portugal, particularmente, no sector de petróleo, através Galp, na banca, através do BPI e do BIC, e em telecomunicações, através do operador NOS, bem como em outros investimentos imobiliários.

No passado dia 28 de Dezembro de 2015, o BdP afirmou que, de acordo com a sua abordagem de supervisão e leis aplicáveis, não tem poderes para suspender ou bloquear a execução das operações financeiras concretas destinadas a adquirir ou aumentar a participação numa determinada empresa, salientando que a sua acção fiscalizadora "necessariamente consiste numa abordagem baseada no risco, cuja natureza periódica, corrente e preventiva é incompatível com o controlo ‘a priori’ de operações financeiras concretas".

No que diz respeito à compra da Efacec, o regulador assinala, numa carta enviada a Bruxelas, "que tomou medidas de supervisão que entendeu convenientes para obter informações detalhadas sobre se os bancos que financiaram a operação cumpriram com as medidas preventivas prescritas no quadro da prevenção do branqueamento de capitais", acrescentando que "procedeu à verificação da origem dos fundos próprios envolvidos nessa aquisição e de que o seu financiamento foi aprovado com base numa análise sólida e procedimentos de risco adequados".

A venda de 66,1% da Efacec Power Solutions (EPS) pelos grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves à empresária angolana Isabel dos Santos foi concluída a 23 de Outubro último.

A Efacec Power Solutions agrupa as actividades centrais do grupo Efacec, que inclui a energia, com transformadores, aparelhagem, automação e mobilidade eléctrica, e engenharia, registando um volume de negócios de cerca de 500 milhões de euros anuais, tem uma equipa de 2.500 colaboradores e actividade em 80 países.

Os grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves são os accionistas minoritários da EPS, através da sociedade MGI capital.


A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado tobras 13.02.2016

Como é que o pai não ade estar no governo a mais de 30 anos,Vai ser a dona do mundo (enquanto houver diamantes e petroleo em angola)

comentários mais recentes
Anónimo 01.03.2016

A CE DEVIA INVESTIGAR E BEM OS INVESTIMENTOS DESTA SENHRA NOS PAÍSES ONDE ELES SÃO FEITOS.
COMO É POSSÍVEL ESTA SENHORA PODER INVESTIR TANTO DINHEIRO?DE ONDE O RETIRA? HÁ MILHARES DE ANGOLANOS A PASSAR MAL MAS ESTES CORRUPTOS TÊM OS COFRES CHEIOS. INVESTIGUE-SE ATÉ Á EXAUSTÃO..

Roubado por todos 29.02.2016

A comicao dos corruptos andam a mamar as camanhgas da Isabel dos Ovos de Ouro.So nos Lixam estas comicoes, da treta. Cadê da Ana Gomes Sapatona?

Anónimo 29.02.2016

POR ACASO ISTO SERÁ INVESTIMENTO?SE ATÉ A CE TEM DÚVIDAS DESTES NEGÓCIOS? SERÁ Q PENSAM Q AS PESSOAS N VÊM OU N ENTENDEM? ISABELEINHA VAI CONTAR A HISTÓRIA P OUTRAS PARAGENS.
A JUSTIÇA PODE TARDAR MAS N FALHA

Anónimo 29.02.2016

Acho que o Estado Portugues deve defender a Isabel como Investidora da Republica Portuguesa. Todos os Investidores devem ser defendidos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub