Indústria KC-390. O maior projecto aeronáutico português

KC-390. O maior projecto aeronáutico português

A aeronave KC-390, da Embraer, é apresentada esta segunda-feira nas oficinas das OGMA, em Alverca. Trata-se do maior projecto aeronáutico português, com uma incorporação nacional superior a 56% e mais de 450 mil horas de engenharia portuguesa.
A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro 04 de julho de 2016 às 07:00

Vais ser esta segunda-feira apresentada a aeronave KC-390, desenvolvida pela brasileira Embraer e com uma forte participação da engenharia portuguesa, que contou também com o apoio do Estado português, que alocou ao projecto 20,8 milhões de euros.

 

A apresentação está marcada para as oficinas das OGMA, em Alverca, e contará com a presença do primeiro-ministro, António Costa, e ministro da Economia, Caldeira Cabral.

 

De acordo com os dados fornecidos pelo ministério da Economia ao Negócios, o KC-390 tem uma incorporação nacional superior a 56%, com um efeito multiplicador de 1,8, contando com a participação de mais de 35 entidades nacionais.

 

Envolveu mais de 350 pontos de trabalho "altamente qualificados", nomeadamente engenheiros, de várias companhias como a Embraer, OGMA e Centro de Excelência e Inovação da Indústria Automóvel (CEIIA). E contou com o envolvimento de diversas universidades portuguesas: Universidade do Minho (UM), Instituto Superior Técnico, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP-UP) e Universidade da Beira Interior (UBI).

 

Trata-se, segundo o Governo, do primeiro programa de aeronáutica com engenharia nacional e é também o maior em termos de participação da indústria portuguesa.

 

Uma visão reforçada pelo CEIIA, que em comunicado assinala que "mais de metade da aerestrutura deste avião foi concebida por engenheiros portugueses, fazendo do KC 390 o maior projecto aeronáutico alguma vez realizado no nosso país".

 

O Ministério da Economia assinala que este projecto favorece a captação de investimento directo estrangeiro (IDE), o lançamento de startups e PMEs especializadas e coloca Portugal no mapa europeu e internacional de fornecedores altamente qualificados e especializados no sector da indústria aeronáutica".

 

A Embraer, que conta com uma fábrica em Évora, contratou a Empresa de Engenharia Aeronáutica (EEA) para este projecto, que por sua vez subcontratou o CEIIA, para componentes estruturais da aeronave e outros pacotes de trabalho associados à fuselagem central, bem como a OGMA.

 

"Com este projecto foi possível construir uma equipa de engenharia portuguesa que tem capacidade para participar no desenvolvimento de qualquer projecto de engenharia aeronáutica, em qualquer parte do mundo", refere José Rui Felizardo, presidente executivo do CEIIA.
 
O dorso do avião, onde se vão instalar as portas do trem de aterragem, os elevadores das asas traseiras, a fuselagem, e uma parte do leme, são da responsabilidade do CEIIA, que já havia participado noutros projectos aeronáuticos, mas nenhum comparável às exigências do KC 390, refere o centro em comunicado.

 

Para assegurar a participação portuguesa neste projecto, o Governo tem prevista uma despesa de 20,8 milhões até ao final de 2017.

 

Na resolução do Conselho de Ministros que autoriza esta despesa, o Governo destaca o "interesse de Portugal em participar no programa de desenvolvimento e produção da aeronave de transportes multiusos KC -390 como factor de desenvolvimento da base tecnológica e industrial nacional para o sector aeronáutico e, nessa medida, assumir o papel de vector mobilizador da dinamização do cluster aeronáutico nacional".

 

De acordo com o ministério da Economia, há uma geração de royalties de até 15 milhões de euros por cada estrutura entregue pela OGMA à Embraer e os novos contratos adjudicados ao CEIIA e a outras empresas por consequência da participação no KC-390 representam mais de 13 milhões de euros.

 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JMdC 04.07.2016

É um projecto brasileiro feito em parceria com vários outros países distantes do Primeiro Mundo. Um bom começo, um bom esforço, que poderá originar um produto competitivo no mercado e a criação de clusters no sector, mas feito, ainda que de forma esforçada e fortemente subsidiada como é regra por esse mundo fora na aeronáutica militar, por entidades de segunda linha no contexto da moderna indústria aeronáutica mundial.

"A empresa brasileira fornece a seção dianteira da fuselagem com a cabine de pilotagem, asas, seção intermediária da fuselagem e estabilizadores vertical e horizontal. Executa também a integração dos comandos de voo, softwares, aviônica e equipamentos como os trens de pouso, que também produz, através de sua subsidiária Eleb.[17] A Argentina fornece as portas do trem de pouso dianteiro, porta dianteira direita, parte da rampa de acesso traseira, flaps e cone de cauda. Portugal fornece a seção central da fuselagem, sponson e portas do trem de pouso principal e leme de profundidade. A República Tcheca fornece a porta dianteira esquerda, portas traseiras, parte da rampa de acesso traseira e seção traseira da fuselagem." (Fonte: Wikipédia)

comentários mais recentes
Anónimo 05.10.2016

Avião 100% português, sim 100 ore!!!

Jorge Manuel Bernardino Domingues 04.07.2016

Maior?! Expliquem melhor...

RuyZ 04.07.2016

Projecto aeronáutico brasileiro com participação portuguesa.

Anónimo 04.07.2016

Reportagem muito boa grande informação é importante.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub