Indústria Lucros da Semapa quase duplicam até Março

Lucros da Semapa quase duplicam até Março

O aumento do EBITDA e a redução das amortizações, perdas por imparidade e provisões permitiam ao grupo somar lucros de 27,2 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, quase o dobro do atingido no período homólogo.
Lucros da Semapa quase duplicam até Março
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 16 de maio de 2018 às 19:53

A Semapa registou um resultado líquido no primeiro trimestre deste ano de 27,2 milhões de euros, o que revela um crescimento de 90,3% face a igual período do ano anterior.

 

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o grupo, que detém participações em empresas como a Navigator e a Secil, justifica o desempenho até Março com o efeito combinado do aumento do EBITDA total em cerca de 18,4 milhões de euros, a redução de amortizações, perdas por imparidade e provisões no valor de 6,3 milhões de euros e a diminuição dos resultados financeiros líquidos em cerca de um milhão de euros. Já relativamente aos impostos sobre o rendimento o grupo registou um aumento de 5,6 milhões no trimestre.

 

O volume de negócios consolidado do grupo Semapa atingiu nos primeiros três meses do ano os 508,7 milhões de euros, um decréscimo de 2,5% em termos homólogos. Por seu lado, as exportações e vendas no exterior ascenderam a 387,5 milhões de euros, o que representou 76,2% do volume de negócios.

 

O EBITDA aumentou cerca de 16,6%, atingindo 129,6 milhões de euros, tendo a margem consolidada ficado nos 25,5%, ou seja, 4,2 pontos percentuais acima da registada no primeiro trimestre de 2017.

 

A 31 de Março de 2018, a dívida líquida consolidada totalizava 1.557,5 milhões de euros, valor que representou uma redução de 116,1 milhões de euros face ao final de 2017.

Para o volume de negócios, o segmento de pasta e papel contribuiu com 384,9 milhões de euros (menos 2% do que no mesmo período de 2017), enquanto o do cimento aportou 118,3 milhões (menos 2,6%) e do ambiente 5,5 milhões (26,2% menos do que há um ano).

Os resultados líquidos atribuíveis aos accionistas da Navigator no primeiro trimestre foram de 50,5 milhões de euros, representando um aumento de 53,9%, conforme a cotada tinha já divulgado.

No caso da Secil, a Semapa adianta que os resultado líquido atribuível aos accionistas melhorou 25,7%, mantendo-se contudo negativo em 4,1 milhões.

Na apresentação dos resultados, a holding de Pedro Queiroz Pereira refere, relativamente ao consumo de cimento, que "as chuvas do mês de Março marcaram o desempenho do mercado interno, tendo mais do que anulado as variações homólogas positivas dos primeiros dois meses do ano".

O volume de negócios do conjunto das operações desenvolvidas em Portugal apresentou um crescimento de 8,1% face ao mesmo período de 2017, atingindo os 65,6 milhões de euros. No mercado externo, "a existência de oferta excedentária na Europa, Mediterrâneo e África Ocidental continuou a provocar um nível de concorrência elevado", o que "penalizou as quantidades e preços de venda", aponta.

 

No Líbano o volume de negócios recuou no primeiro trimestre 16,2%, no Brasil 19,4% e na Tunísia 13,4%.

No negócio do ambiente, o resultado líquido atribuível aos accionistas da ETSA recuou 50,1% para cerca de 500 mil euros.


(notícia actualizadas às 20:08)