Indústria UE alarga investigações para travar compra desleal de aço à China

UE alarga investigações para travar compra desleal de aço à China

A Comissão Europeia admite tomar medidas para proteger as empresas europeias caso tenha mais provas de que existe concorrência desleal por parte da China.
UE alarga investigações para travar compra desleal de aço à China
Rui Barroso 12 de fevereiro de 2016 às 12:26

A União Europeia lançou novas investigações a eventuais práticas de "dumping" (prática comercial em que determinadas empresas de um país vendem produtos para outra região a preços mais baixos) na importação de produtos do sector do aço e promete endurecer as medidas de defesa das empresas europeias.

As novas três investigações abertas por Bruxelas incidem sobre a importação de produtos de aço vindos da China e passam para nove o total de averiguações da Comissão Europeia sobre práticas de "dumping" neste sector. Além da China, também as importações chegadas da Rússia estão a ser escrutinadas.

A União Europeia tem em curso 37 medidas para proteger as empresas europeias deste tipo de práticas anti-concorrenciais. "O sector do aço enfrenta actualmente um leque alargado de desafios. E os instrumentos de defesa comercia da União Europeia não podem por si só resolver todos os problemas, mas a Comissão Europeia está a agir e a aplicar todos os instrumentos ao dispor para apoiar e assegurar condições equilibradas", referiu Cecilia Malmström, comissária europeia do comércio, num comunicado.

Acrescentou que "não podemos permitir a concorrência desleal vinda de importações artificialmente baratas que ameaçam a nossa indústria. Estou determinada a usar todos os meios possíveis para assegurar que os nossos parceiros comerciais actuam segundo as regras". E avisa: "Colocámos em prática até agora medidas de defesa em mais de 30 tipos diferentes de produtos de aço e continuaremos a enfrentar de forma efectiva as preocupações legítimas da nossa indústria".  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub