Media Balsemão acha natural interesse dos chineses nas empresas de media portuguesas

Balsemão acha natural interesse dos chineses nas empresas de media portuguesas

O presidente da Impresa, dona da SIC e do Expresso, diz que a comunicação social é cada vez mais universal, pelo que é normal que haja investidores estrangeiros, entre eles chineses, interessados no sector em Portugal.
Balsemão acha natural interesse dos chineses nas empresas de media portuguesas
Miguel Baltazar
Lusa 30 de junho de 2015 às 02:40

"Eu acho que o sector dos media é um sector cada vez mais universal. É evidente que, como português e como responsável por um dos grupos de media portugueses, sinto-me melhor se os media estiverem na propriedade de portugueses, mas não vejo que isso também possa ter um grave inconveniente", afirmou na segunda-feira à noite aos jornalistas Francisco Pinto Balsemão.

 

Isto, "desde que a independência editorial seja respeitada, se procure fazer um jornalismo de qualidade, se sigam regras deontológicas, e que haja sanções quando essas regras não sejam cumpridas", salientou.

 

E destacou: "É tudo aquilo que eu tenho vindo a tentar pregar ao longo destes anos todos e que, de uma maneira geral, acho que há um progresso grande no jornalismo português".

 

Balsemão falava à margem da gala de entrega dos prémios Primus Inter Pares, promovido pelo Banco Santander Totta em parceria com o jornal Expresso, que hoje decorreu em Lisboa, depois de questionado sobre o interesse manifestado pelos chineses da Fosun, que compraram a 'fatia de leão' do negócio de seguros da Caixa Geral de Depósitos (CGD), em investir no sector da comunicação social em Portugal.

 

"O capital da Impresa está na bolsa, quem quiser comprar pode comprar, mas não o meu", vincou.

 

Sobre as fortes valorizações e desvalorizações que as acções da Impresa têm registado ultimamente no mercado, Pinto Balsemão disse que "os títulos têm acompanhado bastante as oscilações [da bolsa]", sublinhando que os papéis da Impresa "quando sobem, sobem mais depressa e, quando descem, descem mais depressa".

 


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.06.2015

Vais precisar desse capital. A Altice vai te cortar canais e os precos em 30%. A NOS fara o mesmo tal como a Vodafone. O que é que o futuro te reserva? Usas o Expresso para falar dos cortes da NovaBase mas a prepcupaçao nao é essa!

J 30.06.2015

Era bom era para pôr a vidinha em ordem

Anónimo 30.06.2015

porque é que os Chineses só compram em Portugal? Porque é que nao vao para uma Alemanha, Franca, etc.? Explique quem souber.

Joao das Regras 30.06.2015

Ja nao e sem tempo.Ha que quebrar o control que a mafia mais atrasada e ignorante da europa tem sobre os media.

ver mais comentários
pub