Media Viacom pede à CBS que aumente proposta de compra em 2.280 milhões de euros

Viacom pede à CBS que aumente proposta de compra em 2.280 milhões de euros

A Viacom terá pedido à CBS que aumente em 2,8 mil milhões de dólares (2.280 milhões de euros) a sua proposta para a fusão dos dois gigantes dos media, avança esta segunda-feira a Reuters.
Viacom pede à CBS que aumente proposta de compra em 2.280 milhões de euros
Bloomberg
Negócios 09 de abril de 2018 às 11:13

Citando fontes próximas do negócio, a agência noticiosa refere que a contraproposta da Viacom indica que existe ainda uma considerável diferença nas expectativas das empresas quanto ao valor da operação.

As fontes referiram à Reuters que, na semana passada, a Viacom enviou uma carta à CBS propondo uma relação de troca de 0,68 acções da CBS por cada título da Viacom, quase mais 25% do que a proposta da CBS de 0,55 acções.

A oferta da CBS avaliava a Viacom em 11,9 mil milhões de dólares, abaixo da capitalização bolsista actual, de 12,7 mil milhões de dólares. A contraproposta da Viacom avalia a empresa em 14,7 mil milhões de dólares.

Desde Novembro as acções da Viacom valorizaram cerca de 33%, impulsionadas pela especulação de novos esforços para que a fusão avance depois das negociações falhadas em 2016.

A fusão das duas empresas iria juntar os canais televisivos da rede CBS, estações televisivas locais e o canal de cabo Showtime com os canais de cabo da Viacom, que incluem a MTV, Comedy Central e Nickelodeon, e com o estúdio de cinema Paramount Pictures.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.