Start-ups Estudo da Amway: Portugueses acreditam que formação em empreendedorismo é "insatisfatória"

Estudo da Amway: Portugueses acreditam que formação em empreendedorismo é "insatisfatória"

Um estudo realizado pela Amway aponta que 64% dos inquiridos considera que a formação em empreendedorismo é "insatisfatória". Além disso, 50% das pessoas que participaram no estudo acreditam que é possível aprender a ser empreendedor.
Estudo da Amway: Portugueses acreditam que formação em empreendedorismo é "insatisfatória"
Miguel Baltazar/Negócios

O quinto relatório global de empreendedorismo da Amway – uma empresa do sector de venda directa – mostra que 64% dos inquiridos considera que a formação nesta área é "insatisfatória". O estudo de 2014 foca-se sobretudo a "questão de se nascer empreendedor, ou se de facto se pode aprender a sê-lo". Em relação à questão se o empreendedorismo pode ser aprendido, 50% das pessoas que participaram na elaboração deste estudo acreditam que se pode aprender a ser empreendedor.

 

O comunicado enviado às redacções revela ainda que 65% das pessoas que participaram neste estudo dizem ter uma atitude positiva face ao empreendedorismo e 41% imagina-se criar o seu próprio negócio. E o motivo apontado pela quase maioria dos inquiridos (47%) para ambicionarem ter o seu próprio negócio é a independência patronal.

 

Em comunicado a directora-geral da Amway Ibéria, Monica Milone, defende que "embora se tenham identificado algumas barreiras no Amway Global Entrepreneurship Report de 2014, a criação do próprio emprego continua a consolidar-se em Portugal, ano após ano, tanto como uma alternativa ao desemprego como uma forma de considerar o futuro a longo prazo".

 

"Em Portugal, os jovens assumem a importância da formação no que diz respeito ao empreendedorismo, especialmente formação em competências básicas na gestão de negócios. A Amway está empenhada em apoiar, através dos meios adequados, jovens empresários a descobrir o seu potencial através de programas contínuos e formações específicas, preparando-os para uma nova etapa, da melhor forma possível", acrescentou.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Valentina Umer 18.02.2015

Incidentally, A Larangeiro, if you´re a journalist (which I doubt), you should quote your sources when you mention a study! Wont´t you send details of the ``study`` you quote and on which you base your crappy article? What do they teach in Portugal under Journalism? What JN´s responsibility?

Maria Valentina Umer 18.02.2015

As Prof of International Bus Administration for 30 years in Germany, I gave my students the example of Amway as the epitome of the rabid firm operating internationally with rabid business methods. Univ students are much cleverer than Ana Lanrangeiro posing as journalist! Shame on you and the JN!

Maria Valentina Umer 18.02.2015

Shame on Ana Langeiro and the JN: do not try to sell to the poor Portuguese this pyramyd system as emtrepeneurship! You might as well try to sell them the system Madoff in Wall Street, their criminal leader being in prison for 10 years. Honestly, is there responsibility in the JN?

pub