Start-ups Fintech: Sueca Klarna obtém licença bancária

Fintech: Sueca Klarna obtém licença bancária

A fintech sueca Klarna viu concretizada esta segunda-feira, 19 de Junho, um desejo que acalentava, pelo menos, há quase dois anos. A Autoridade sueca de Supervisão Financeira atribuiu à empresa licença bancária, o que lhe vai permitir ampliar a sua oferta.
Fintech: Sueca Klarna obtém licença bancária
Reuters
Ana Laranjeiro 19 de junho de 2017 às 13:41

Há 20 meses, a fintech sueca Klarna deu o primeiro passo para concretizar o objectivo de obter licença bancária. Fez o pedido formal para obter a tal licença. O término do processo aconteceu esta segunda-feira, 19 de Junho: a Autoridade sueca de Supervisão Financeira atribui à empresa uma licença bancária, de acordo com o Financial Times (FT).

Com uma avaliação na casa dos dois mil milhões de dólares (mais de 1,7 mil milhões de euros), a empresa conta já com uma fatia importante do mercado de pagamentos online nos países nórdicos e na Alemanha. Com esta licença, escreve o TechCrunh, a Klarna fica com capacidade para fornecer um conjunto de novos produtos bancários e serviços. Neste leque poderá estar incluída a possibilidade de emitir cartões de pagamentos. Contactada pela publicação, a empresa não detalha que serviços, e quando, vão ser disponibilizados.

Actualmente, o negócio da Klarna está focado nos pagamentos no comércio electrónico, dando aos clientes opções financeiras diferentes para completar as suas compras, acrescenta a mesma fonte.


Ao FT, a fintech afirmou que quer ajudar a transformar a banca de retalho. "Queremos ser parte da remodelação do sector da banca de retalho. Novas regulações… estabelecer os pré-requisitos certos para a destruição dessa indústria, mas é necessário que uma Ryanair participe. Queremos ser um actor", disse Sebastian Siemiatkowski, director executivo da Klarna.


"Tudo o que temos visto em todos os outros sectores – por exemplo no retalho – é que players globais estão a emergir como a H&M e a Zara. Globais mais muito especializadas. Quando um mercado cresce, a especialização aumenta. Vamos ver mais oferta especializada [na área financeira], que ao mesmo tempo vai ser global", acrescentou.


A Klarna foi fundada em 2005 e mudou, entretanto, o seu nome legal para Klarna Bank. Contudo, por questões de marketing vai continuar a ser conhecida como Klarna.

O director executivo da empresa disse ao FT que não é expectável que abram o seu capital – realizem um IPO – em breve. Ainda assim, admitiu que pode fazer sentido "algures no tempo" mas "queremos crescer rápido".


A licença bancária vai ajudar na expansão internacional da empresa sueca, nomeadamente para os EUA.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar