Start-ups Portuguesa Feedzai entra na lista da Forbes das fintech para 2018

Portuguesa Feedzai entra na lista da Forbes das fintech para 2018

A empresa liderada por Nuno Sebastião entrou este ano para a lista das fintech elaborada pela revista Forbes.
Portuguesa Feedzai entra na lista da Forbes das fintech para 2018
Nuno Sebastião é o CEO da Feedzai
Ana Laranjeiro 14 de fevereiro de 2018 às 08:42

A Feedzai, empresa fundado por portugueses e que combate a fraude nos pagamentos, entrou para a lista da Forbes das fintech para 2018. Segundo a publicação, a Feedzai, que é liderada por Nuno Sebastião, obteve até ao momento um total de 82 milhões de dólares em financiamento e tem uma avaliação de 575 milhões de dólares.

Ao Negócios, numa entrevista concedida no final do ano passado, o co-fundador e CEO da empresa adiantava que a Feedzai trabalha com 10 dos 25 grandes bancos mundiais. A Forbes aponta que entre essas entidades está a Capital One, o First Data e o Citibank.

Em 2016, a firma que combate a fraude nos pagamentos com recurso a inteligência artificial e "machine learning" (aprendizagem da máquina) realizou vendas no valor de 35 milhões de dólares e, contava em entrevista em Novembro de 2017, que queria chegar aos 60 milhões de dólares no ano passado. A ambição para 2018 é "furar a barreira dos 100 milhões de dólares" em vendas. "Se vamos conseguir, não consigo dizer. Genuinamente não sei. Agora, temos um caminho, estamos a preparar-nos para isso", dizia na altura o CEO.

Mas os objectivos desta "fintech" não se ficam por aqui. "Hoje trabalhamos 10 dos 25 grandes bancos mundiais. Não pensei que estivéssemos a fazer [isso]. Nos Estados Unidos, há empresas que o fazem de forma independente: são as ‘credit agencies’. Na Europa, há uma série de iniciativas e directivas que vão nesse sentido também. Se calhar, o que podemos é tornarmo-nos numa dessas casas de gestão de risco financeiro. Ou seja, ir além da plataforma tecnológica", adiantava.  

A empresa quer evoluir para uma firma que tenha também ferramentas para avaliar o risco das operações financeiras. Foi inclusivamente para dar os primeiros passos nesse sentido que a Feedzai realizou no ano passado uma ronda de financiamento no valor de 50 milhões de dólares. "Estamos a falar de anos de trabalho [pela frente]. Isto não acontece de um ano para o outro. Mas que há uma série de pessoas, uma série de empresas, de investidores, de clientes, que acreditam nisso, há. Agora, depende da execução. Passarmos daquela coisinha tecnológica que detectava fraude para sermos a empresa que gere risco ponta a ponta. Desde o comerciante que vende produto até ao banco, este que por sua vez é banco quer do comerciante quer do cliente. [Se] consegues fazer isso a uma escala global, tornaste num gigante. Agora estamos a falar de anos e de muita execução", acrescentou.

Nuno Sebastião reconhece que a cultura da Feedzai é entregar aos clientes aquilo que promete que fazem. "A expressão é mesmo esta: somos obcecados com aquilo que fazemos do ponto de vista da qualidade e da entrega", sintetizou na altura enquanto falava sobre a cultura da firma.




pub