Tecnologias 18 anos depois, há uma nova fortuna astronómica nos EUA

18 anos depois, há uma nova fortuna astronómica nos EUA

O fundador da Amazon e dono do The Washington Post tornou-se no primeiro multimilionário a cruzar a barreira dos 100 mil milhões de dólares nos EUA. E tudo graças ao Black Friday.
18 anos depois, há uma nova fortuna astronómica nos EUA
Bloomberg
Negócios 25 de novembro de 2017 às 17:39
Custou, mas foi. Depois de em Outubro ter superado Bill Gates enquanto homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, fundador da Amazon, conseguiu cruzar uma nova barreira na sua fortuna. E, uma vez mais, o fundador da Microsoft surge como termo de comparação.

Foi esta sexta-feira, aquando do fecho das negociações em Wall Street, quando as acções da Amazon terminaram o dia a subir mais de 2,5% em Nova Iorque. Esta variação, sustentada no optimismo em torno do consumo nos Estados Unidos - motivada pela corrida às lojas do Black Friday - bastou para acrescentar mais de 2.400 milhões de euros ao pecúlio de Bezos.

Contas feitas - e segundo a Bloomberg - com esta subida em bolsa a fortuna do fundador superou pela primeira vez os 100 mil milhões de euros (para ser preciso, 100.300.000.000). Um número muito próximo de ser astronómico - uma analogia com a "unidade astronómica", os 149.597.870.700 metros que separam a Terra do Sol.

Jeff Bezos torna-se assim a primeira pessoa em 18 anos a conseguir superar esta marca: sim, adivinhou, a última havia sido Bill Gates, em 1999, em plena febre das tecnológicas na bolsa.

Uma conquista feita por Bezos, em boa parte, desde o início do ano, em que os bolsos do dono do The Washington Post engordaram 32,6 mil milhões de dólares. E que o consolida no pódium dos mais ricos do mundo, onde se encontram Gates - com 86,8 mil milhões de dólares - e Buffet (78,9 mil milhões).



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub