Tecnologias Accionistas da Yahoo aprovam fusão com Verizon

Accionistas da Yahoo aprovam fusão com Verizon

Os accionistas da tecnológica liderada por Marissa Mayer aprovaram a proposta de fusão com a Verizon. A operação poderá ficar assim concluída este mês, como anunciado anteriormente.
Accionistas da Yahoo aprovam fusão com Verizon
Bloomberg
Carla Pedro 08 de junho de 2017 às 23:45

Os accionistas da Yahoo aprovaram a venda das suas principais operações web à Verizon Communications, anunciou a tecnológica em comunicado divulgado esta quinta-feira à noite, tendo acrescentado que a operação deverá estar concluída a 13 de Junho.

Por seu lado, a Verizon planeia cortar cerca de 2.100 postos de trabalho após concluir esta aquisição do negócio de Internet da Yahoo e de o combinar com a AOL, avançou à Bloomberg uma fonte conhecedora do processo. Os despedimentos irão sobretudo incidir sobre funções duplicadas, referiu a mesma fonte, adiantando que estes cortes representam cerca de 15% da força de trabalho total após completada a fusão.

A Yahoo irá ser integrada numa nova unidade da Verizon denominada Oath, que incluirá conteúdos de media e serviços digitais como email.

Com estes anúncios, a evolução em bolsa de ambas as empresas é no vermelho. As acções da Yahoo seguem a ceder 0,74% na negociação fora de horas em Nova Iorque, para 55,30 dólares, depois de terem encerrado no fecho regular da sessão desta quinta-feira a disparar 10,21% para 55,71 dólares.

 

Já a Verizon está a resvalar muito marginalmente, 0,02%, para 46,18 dólares, contra 46,19 dólares no encerramento de hoje (altura em que cedia 0,67%).

Um processo demorado

 

A CEO da Yahoo, Marissa Mayer (na foto), tinha anunciado em Janeiro que a conclusão da venda das principais operações web da empresa [que tem sido um negócio "core" e que inclui o serviço de email, motor de busca e portal de notícias] à Verizon Communications, que deveria ficar concluída no primeiro trimestre, tinha sido adiada para o segundo trimestre, por haver ainda pormenores a tratar.

 

Entre os pormenores estava uma redução do preço da oferta de compra, com os piratas informáticos a "darem uma ajuda" à Verizon, que em Fevereiro disse estar perto de conseguir renegociar a compra das operações de Internet da Yahoo com um "desconto" de 250 milhões de dólares devido aos ataques de hackers que roubaram os dados de mais de mil milhões de utilizadores da tecnológica.

 

Em Julho do ano passado, quando a Yahoo anunciou ter chegado a acordo para vender as suas operações de Internet à Verizon, o valor estabelecido era de 4,8 mil milhões de dólares. No entanto, quando em Dezembro passado a tecnológica veio dizer ter sido alvo do roubo de dados de mais de mil milhões de utilizadores, a Verizon colocou o negócio em causa.

 

O roubo de dados por parte de hackers - incluindo nomes, datas de nascimento, números de telefone e passwords que estava encriptadas - ocorreu em Agosto de 2013 e grande parte dos mesmos foi vendida na "dark web". 


A Yahoo deu conta, em Dezembro de 2016, deste vasto ataque informático, dizendo que só no mês anterior é que tinha ficado a par do acontecido. Entretanto, correu a informação de que terá havido mais intrusões em 2014 e 2015.

Hackers fizeram descer o preço

 

Este caso deu o mote à Verizon para questionar o valor do acordo. Em Fevereiro passado, foi avançado que a operadora de telecomunicações estaria perto de conseguir renegociar o acordo, reduzindo em cerca de 250 milhões de dólares o preço inicialmente acordado. Mas acabou por conseguir um desconto maior. Com efeito, a Verizon conseguiu reduzir a sua oferta original em 350 milhões, para 4,48 mil milhões de dólares.

 

No seu relatório e contas publicado a 18 de Abril, com os resultados do primeiro trimestre, Mayer reiterou a perspectiva quanto ao prazo para a conclusão do negócio, dizendo esperar que a aquisição estivesse concluída em Junho.

 

No passado dia 10 de Janeiro, Mayer anunciou que iria renunciar ao cargo de CEO após a conclusão desta venda à operadora Verizon. Além de Mayer, mais cinco directores deixarão a empresa, incluindo o co-fundador David Filo.

 

Depois da operação, a nova empresa, que ficará com os activos que não serão vendidos à Verizon - como as participações na Alibaba e na Yahoo Japan, avaliadas em 40 mil milhões de dólares – mudará de nome para Altaba e irá reduzir o conselho de administração a cinco membros.

(notícia actualizada às 00:05 de 9 de Junho)

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub