Tecnologias Anúncios associados a conteúdo extremista geram crise na Google

Anúncios associados a conteúdo extremista geram crise na Google

Grupos extremistas penetraram a segurança da Google e associaram o seu conteúdo a grandes marcas mundiais. Por essa razão, empresas como a Sky, a Vodafone, a BBC, HSBC, LOreal e a Audi deixaram de anunciar no Google.
Anúncios associados a conteúdo extremista geram crise na Google
Negócios 20 de março de 2017 às 15:16

O chefe de operações europeias da Google pediu desculpas publicamente aos seus anunciantes após uma crise que se reflectiu na associação de anúncios de grandes marcas a conteúdos extremistas no YouTube, algo que forçou inúmeras empresas, como a Marks e Spencer e a Havas, a retirar os seus anúncios do Google, avança o Financial Times.

Grupos extremistas penetraram a segurança da Google e associaram o seu conteúdo a grandes marcas mundiais. Por essa razão, a Google está a ser questionada pela indústria da publicidade e pelo governo sobre como pretende impedir que os anúncios das marcas fiquem associados a material extremista na internet.

Uma grande quantidade de empresas, da área da publicidade e departamentos governamentais, retiraram os seus anúncios do Google e do site de vídeos do YouTube, segundo refere o The Guardian. Desta situação são exemplo a empresa Sky, a Vodafone, a Havas, a BBC, HSBC, L’Oreal e a Audi que adicionaram os seus nomes a uma lista crescente de empresas que retiraram os seus anúncios da Google e que vem a aumentar desde o fim-de-semana.

Numa semana onde Matt Brittin, presidente de operações da Google para a região Emea (Europa, Médio Oriente e África), e Mark Howe, executivo da Google, também terão de explicar a sua relação com o governo, o seu desafio passa por enfrentar uma série de perguntas das agências de comunicação sobre a razão que levou os anúncios dos seus clientes a serem associados a vídeos extremistas, incluindo ao ex-líder do Ku Klux Klan, David Duke, entre outras personalidades que proclamam o ódio. 

As principais agências de publicidade foram rápidas a reagir e a francesa Havas, que contém clientes como O2 e Royal Mail, parou de anunciar na semana passada. Publicis, a terceira maior empresa de publicidade do mundo, também já alertou que estava a repensar a sua relação com a Google e o YouTube.

Assim, segundo avança o Financial Times, Matt Brittin, na conferência Advertising Week Europe, a qual conta com a participação de grandes empresas do mundo da publicidade, iniciou o seu discurso com um pedido de desculpas. "Pedimos desculpas. Quando algo assim acontece assumimos a responsabilidade por isso", diz Matt Brittin.

O presidente da Google para a região EMEA afirmou que as ferramentas e políticas da empresa funcionam bem "na maioria das situações", referindo que o que aconteceu foi um pequeno "boicote" e que os ganhos envolvidos foram "apenas uns tostões", dado os poucos anúncios envolvidos, sublinha o mesmo órgão.

Os anúncios ajudam a pagar aos YouTubers, sendo que por cada mil visualizações os utilizadores ganham cerca de 6 libras (aproximadamente 7 euros). Deste modo, segundo estimado pelo The Guardian, este "boicote" à Google poderá ter valido 250 mil libras (288 mil euros) aos extremistas.

Porém, segundo adianta o executivo da Google, a verdade é que "precisamos de melhorar".

 

Segundo o The Guardian, Ronan Harris, director-geral do Google UK, disse que a Google ouviu, "por parte dos nossos anunciantes e das agências, que podemos fornecer maneiras mais simples e mais eficazes para impedir que os anúncios sejam exibidos junto de conteúdo controverso".

Actualmente, o Google só analisa conteúdo que é marcado como inadequado pelos seus utilizadores. Segundo a empresa, o enorme volume de vídeo carregado no YouTube – 400 horas por minuto – é a razão pela qual não é possível fiscalizar todo o conteúdo das suas plataformas, sublinha o Financial Times.

De acordo com a empresa, cerca de 98% do conteúdo assinalado no YouTube é revisto em 24 horas. No entanto, segundo as declarações de Matt Brittin, "sabemos que podemos fazer ainda mais", acrescentando que a marca já está a agir e a investir em novas tecnologias para lidar com a situação e com o desagrado das empresas.


Desta forma, a Google afirmou que aceleraria o seu processo de fiscalização e alteraria as suas políticas de anúncios, bem como a forma de controlo e colocação da publicidade nas suas plataformas.

"Temos um estudo em andamento sobre como podemos melhorar. E estamos a acelerar esse processo de revisão", acrescentou Matt Brittin. A Google vai investir na segurança e melhorar o controlo da colocação de anúncios, tal como reforçará a revisão do conteúdo duvidoso. Segundo avança o Financial Times, ainda esta semana serão lançados mais detalhes sobre estas mudanças tecnológicas a realizar pela empresa. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 20.03.2017

A GOOGLE TEM É DE PAGAR IMPOSTOS ...!!!

pub