Tecnologias Broadcom pondera adoçar oferta sobre a Qualcomm

Broadcom pondera adoçar oferta sobre a Qualcomm

A fabricante norte-americana de chips Broadcom está a pensar melhorar a oferta de compra que fez à sua rival Qualcomm, oferecendo mais acções próprias, avança a Reuters.
Broadcom pondera adoçar oferta sobre a Qualcomm
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Negócios 22 de novembro de 2017 às 21:31

A Broadcom, que no passado dia 13 de Novembro viu a Qualcomm rejeitar a sua oferta de compra, avaliada em 103 mil milhões de dólares, não pensa desistir da fusão com a sua rival, uma operação que criaria uma das maiores empresas na área dos microprocessadores e que constituiria a maior aquisição na história deste sector.

Fontes conhecedoras do processo avançaram à Reuters que a Broadcom está a pensar oferecer mais acções próprias, melhorando assim a oferta. Isto depois de se ter consultado junto dos maiores accionistas da Qualcomm.

Se bem que o timing da nova oferta seja incerto, tudo indica que a Broadcom pensa pressionar a Qualcomm no sentido de dar início a negociações formais, oferecendo mais aos seus accionistas.

 

O CEO da Broadcom, Hock Tan, declarou que está preparado para uma guerra e houve fontes que disseram à Reuters que a tecnológica se está a preparar para avançar com uma proposta para nomear administradores da Qualcomm – tendo mesmo ameaçado destituir os que se opuserem à OPA, isto se conseguir comprar a empresa.

Na sua proposta no valor de 103 mil milhões de dólares, feita no dia 3 de Novembro, a Broadcom colocou em cima da mesa uma oferta de 70 dólares (60 dólares em dinheiro e 10 dólares em acções) por cada acção, o que traduzia um prémio de 28% face ao preço de fecho da sessão anterior.

 

Apesar do prémio, o baixo preço da oferta foi um dos argumentos que a administração da Qualcomm usou para rejeitar a proposta, já que a cotada no ano passado negociava em bolsa acima do preço da oferta.



(notícia actualizada às 22:28)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar