Tecnologias Catarina Martins critica Altice por "despedir, baixar salários e precarizar trabalhadores" na PT

Catarina Martins critica Altice por "despedir, baixar salários e precarizar trabalhadores" na PT

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, criticou hoje a Altice, grupo que detém a PT Portugal, por esta "estar a despedir, a baixar salários e a precarizar trabalhadores" utilizando a lei como "um enorme engodo".
Catarina Martins critica Altice por "despedir, baixar salários e precarizar trabalhadores" na PT
Miguel Baltazar
Lusa 10 de julho de 2017 às 15:12

"Estão a tentar fazer despedimentos utilizando transferências e a externalização de serviços para outras empresas do próprio grupo Altice. Isto é um enorme engodo. Utilizar a lei, que foi feita para outras circunstâncias, para o mesmo grupo económico conseguir despedir trabalhadores, baixar salários e precarizar trabalhadores, não se admite", disse Catarina Martins à Lusa na concentração que juntou hoje no Porto cerca de 300 trabalhadores da PT Portugal.

 

Em causa está o facto de, em 30 de Junho, a PT Portugal ter anunciado internamente que iria transferir 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice e Visabeira, esta última parceira histórica da operadora de telecomunicações, cujo processo estará concluído no final deste mês. Antes, no início do mês passado, a operadora tinha anunciado a transferência de 37 trabalhadores da área informática da PT Portugal para a Winprovit.

 

Depois destas notícias, em 5 de Julho, os sindicatos afectos à PT Portugal anunciaram também a convocação de uma greve geral para dia 21 contra a transferência de trabalhadores para outras empresas do grupo Altice e parceiros.

 

A líder do Bloco de Esquerda defendeu que "o Estado tem a capacidade de impedir que estes expedientes sejam utilizados" porque, disse, "não foi para fazer despedimentos colectivos ou para precarizar trabalhadores que se criaram as legislações sobre transmissão de estabelecimentos e sobre externalização de serviços".

 

"Portanto, achamos que o Estado tem a obrigação de intervir e quanto a isso estamos a aguardar resposta", referiu.

 

Catarina Martins contou ter obtido informações de que alguns trabalhadores em greve estão a ser substituídos ilegalmente, razão pela qual, avançou, o deputado bloquista José Soeiro "está a contactar a Autoridade para as Condições de Trabalho para saber o que se está a passar de forma a travar a substituição ilegal de trabalhadores".

 

"A Altice não pode achar que isto é uma república das bananas. Não pode achar que pode utilizar expedientes para despedir trabalhadores ou precarizar trabalhadores. E faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para os travar", resumiu Catarina Martins, sublinhando que "a luta de cada um dos trabalhadores é essencial".

 

"Estão a lutar não só pelo seu posto de trabalho, direitos e salário, mas estão a lutar pela própria empresa. Se isto acontecer é a PT que desaparece e a PT é uma empresa estratégica do ponto de vista da economia portuguesa", concluiu a coordenadora do Bloco de Esquerda.

 




pub