Tecnologias FixeAds desiste da compra de activos do CustoJusto

FixeAds desiste da compra de activos do CustoJusto

A Autoridade da Concorrência decidiu extinguir o processo de compra de activos do CustoJusto pela FixeAds, depois da última ter desistido deste processo de concentração. A operação iria criar um gigante de classificados na internet em Portugal.
FixeAds desiste da compra de activos do CustoJusto
Sara Ribeiro 30 de outubro de 2015 às 20:48

"A Autoridade da Concorrência (AdC) declarou extinto o procedimento referente à operação de concentração que consistia na aquisição, pela FixeAds, do controlo exclusivo de certos activos referentes ao site www.custojusto.pt, uma plataforma de anúncios classificados online", anunciou o regulador em comunicado esta sexta-feira, 30 de Outubro.

A decisão da Concorrência surge na sequência da desistência, por parte da FixeAds, "do procedimento relativo à notificação da operação de concentração junto da AdC, tendo a mesma sido adoptada no pressuposto de que a operação de concentração em causa não se realizará", lê-se no mesmo documento.

A compra de activos do site CustoJusto, plataforma de anúncios online, pela FixeAds, dona de plataformas como o OLX ou Imorvietugal iria criar a maior plataforma digitla de classificados em Portugal.

A operação de concentração tinha sido notificada à AdC em 8 de junho de 2015, "com produção de efeitos a 25 de junho de 2015, tendo a Autoridade da Concorrência adotado, em 29 de setembro de 2015, um Projeto de Decisão de Passagem a Investigação Aprofundada", detalha a entidade.

Nesse sentido, a Concorrência tinha efetuado "diversas diligências de investigação junto das empresas em causa e de terceiros, que envolveram uma vasta recolha de elementos tendentes à adequada caraterização do mercado e à avaliação dos potenciais impactos da operação de concentração".

Além disso, "foram igualmente tidas em conta as observações do terceiro interessado Cofina ,[dona do Correio da Manhã, Jornal de Negócios, Sábado, entre outros títulos], a qual se manifestou contra a operação de concentração".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub