Tecnologias Foxconn oferece 4,6 mil milhões de euros pela japonesa Sharp

Foxconn oferece 4,6 mil milhões de euros pela japonesa Sharp

A Foxconn ofereceu 600 mil milhões de ienes (cerca de 5,1 mil milhões de dólares e 4,6 mil milhões de euros) pela nipónica Sharp, avança a Bloomberg, citando fontes próximas das negociações, mas não identificadas.
Foxconn oferece 4,6 mil milhões de euros pela japonesa Sharp
Bloomberg
Negócios 21 de Janeiro de 2016 às 07:21
A Foxconn Techonology avançou com uma proposta de compra da japonesa Sharp por 600 mil milhões de ienes (cerca de 4,6 mil milhões de euros), o que, a concretizar-se, será a maior compra da tecnológica que monta os telemóveis da Apple, os iPhones.

Uma decisão sobre a aceitação ou rejeição da oferta é aguardada até ao final deste mês de Janeiro. Chu Wen-min, o porta-voz da Foxconn, escusou-se a fazer comentários à Bloomberg.

Já não é a primeira aproximação da Foxconn à Sharp. Uma das principais empresas de montagem de equipamentos electrónicos admitiu investir na Sharp em 2012, mas as discussões acabariam por cair depois de falhado um acordo para o controlo de gestão. Em 2012, a Foxconn ofereceu 66,9 mil milhões de ienes por 9,88% da Sharp.

As negociações voltaram, acrescenta a agência de notícias internacional, depois da Sharp entrar numa profunda crise que a obrigou a pedir auxílio do Estado japonês. 

A Foxconn estará interessada em expandir o seu negócio, para lá da montagem de equipamentos e da logística, integrando, na sua oferta, negócio de componentes. A Sharp é um dos principais fornecedores de écrãs para telemóveis e tablets. A Sharp, cuja dívida está contabilizada em 791,8 mil milhões de ienes (6,2 mil milhões de euros), já registou prejuízos de 1,1 biliões de ienes (8,6 mil milhões de euros) nos últimos quatro exercícios. 

O Wall Street Journal já avançou que além da Foxconn também a INCJ (Innovation Network Japan) poderia estar interessada na aquisição da Sharp. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub