Tecnologias Governo francês desenvolve rival da WhatsApp e Telegram

Governo francês desenvolve rival da WhatsApp e Telegram

O governo francês está a desenvolver o seu próprio serviço de mensagens encriptadas. Inicialmente, o serviço será usado apenas pelo Executivo gaulês, mas poderá ser disponibilizado ao público em geral.
Governo francês desenvolve rival da WhatsApp e Telegram
Bruno Simão/Negócios
Negócios com Reuters 16 de abril de 2018 às 17:52

O governo francês está a desenvolver um novo serviço de mensagens encriptadas, similar ao WhatsApp e Telegram, que deverá ser de uso obrigatório por todos os membros do Executivo já no Verão, indicou esta segunda-feira uma porta-voz do Ministério Digital gaulês.

A medida surge por receios de que entidades estrangeiras possam espiar as conversas privadas entre os membros do governo. Quer o WhatsApp quer o Telegram estão baseados em França, o que aumenta o risco de violação de dados nos servidores localizados fora do país.

Cerca de 20 membros do governo e altos cargos da administração pública estão a testar a nova app que foi criada por uma empresa contratada pelo Estado.

"Precisamos de encontrar uma forma de ter um serviço de mensagens encriptadas cuja encriptação não seja feita nos EUA ou Rússia", referiu a porta-voz. "Pensando nas potenciais falhas que podem acontecer, como vimos no Facebook, entendemos agir", acrescentou.

O WhatsApp foi comprado em 2014 pelo Facebook, que tem estado sob fogo devido ao acesso indevido a dados dos utilizadores da maior rede social do mundo por parte da consultora política Cambridge Analytica.

A nova app francesa poderá eventualmente ser disponibilizada ao público em geral, admitiu a porta-voz.

O presidente francês, Emmanuel Macron, bem como o seu círculo mais próximo usa frequentemente o Telegram, criado por um empresário russo. Moscovo começou a bloquear o acesso ao Telegram após a empresa ter recusado cumprir uma ordem que dava acesso às mensagens dos utilizadores por parte dos serviços de segurança russos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub