Tecnologias Huawei cria centros de apoio em Lisboa e Porto

Huawei cria centros de apoio em Lisboa e Porto

Reparar mil telemóveis por mês é uma das expectativas da chinesa Huawei para o novo centro de apoio ao cliente que inaugurou esta quinta-feira, 13 de Julho, em Lisboa. Segue-se um segundo no Porto na próxima semana.
Huawei cria centros de apoio em Lisboa e Porto
Reuters
Wilson Ledo 13 de julho de 2017 às 12:58

A chinesa Huawei abriu esta quinta-feira, 13 de Julho, o seu primeiro centro de apoio em Portugal. Com capacidade para fazer reparações em uma hora, o espaço em Lisboa esperar arranjar mil equipamentos por mês, sobretudo "smartphones".

Sempre que não seja possível cumprir esse tempo, os clientes terão direito a um telefone de substituição. Há ainda a possibilidade de marcar antecipadamente, por telefone, a reparação. "A grande vantagem deste centro é que fazemos qualquer tipo de reparação", aponta Tiago Flores, responsável de vendas da marca em Portugal.


O primeiro centro de apoio permitirá ainda aos clientes tirar dúvidas sobre os seus equipamentos ou mesmo fazer actualizações do "software". Há ainda uma sala dedicada a "workshops" para os consumidores, com sessões sobre fotografia ou sobre a interligação de dispositivos.


Ao Negócios, tanto Tiago Flores como o CEO da Huawei em Portugal, Chris Lu, preferem não avançar com o valor do investimento. No centro em Lisboa na Avenida António Augusto Aguiar, onde é parceira a portuguesa Decsis, serão criados cinco postos de trabalho.


A Huawei não fica pela capital e abre um centro semelhante no Porto já na próxima terça-feira, 18 de Julho, na Avenida dos Aliados. Neste espaço, a parceira é a Tamet.


Por agora, não há mais planos de expansão pelo resto do país, onde os clientes continuarão a ser apoiados pela rede das operadoras de telecomunicações. "Primeiro vamos ver como corre em Lisboa e Porto", justifica Chris Lu.


A aposta em Portugal revela a continuidade de uma estratégia internacional da Huawei, que tem vindo a abrir centros idênticos noutros países como Itália, Espanha e Alemanha.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub