Tecnologias Musk pondera tirar a Tesla de bolsa

Musk pondera tirar a Tesla de bolsa

Elon Musk, CEO da fabricante norte-americana de veículos eléctricos Tesla, escreveu na sua conta de Twitter que está a pensar tornar a empresa privada. E a 420 dólares por acção.
Musk pondera tirar a Tesla de bolsa

Elon Musk escreveu num tweet que está a pensar retirar a Tesla de bolsa, a 420 dólares por acção.

 

O mercado está a reagir em alta, com as acções a dispararem 7,02% para 366 dólares.



A esse preço, a empresa vale 71,6 mil milhões de dólares. Segundo os dados da Bloomberg, Musk tem uma posição de 19,78% na Tesla, o que significa que terá de desembolsar 57,5 mil milhões de dólares para comprar a restante parte.

Musk, que nos últimos tempos tem tido atitudes e declarações controversas, disse que tem financiamento garantido para a operação.

O presidente executivo da Tesla publicou este tweet minutos depois de ter sido anunciado que o Fundo Soberano da Arábia Saudita tinha uma posição no valor de dois mil milhões de dólares na empresa, o que equivale a perto de 5%.

No passado dia 5 de Agosto, o CEO da Tesla tinha 'postado' um tweet com um vídeo que alude às posições curtas (que apostam na queda das acções - os chamados 'shorts') e esta pode ser uma forma de "retaliar", já que, com a informação de que pensa retirar a empresa de bolsa, as acções estão a disparar. O referido vídeo foi por muitos considerado de mau gosto, uma vez que tinha Hitler como protagonista.



No acumulado do ano, a Tesla sobe 16,02%.

Cerca de 40 minutos depois de Musk ter publicado a mensagem no Twitter, escreveu uma nova: "Good morning", com um sorriso aberto. Eram 18:30 em Lisboa, menos oito horas (10:30) em Palo Alto, Califórnia - onde a Tesla está sediada.

Entretanto, Musk continua a publicar tweets e o mais recente, pelas 19:15 de Lisboa, reitera o preço já avançado pelo CEO da Tesla: "os accionistas podem vender a 420 dólares ou manter as acções e ficarem também donos da empresa privada".



Elon Musk, além de liderar a Tesla, é também CEO da empresa de foguetões SpaceX e presidente não executivo da SolarCity [que se dedica à concepção, financiamento e instalação de sistemas de energia solar], além de ter sido o criador do sistema de pagamentos online Paypal.

A relação de Elon Musk, presidente executivo da Tesla, com os analistas não tem sido fácil. O maior sinal foi dado na "conference call" da apresentação dos resultados do primeiro trimestre, em Maio passado. Questionado por Toni Sacconaghi, analista da  Sanford C. Bernstein, sobre as margens do Model 3, Musk qualificou a questão de "chata". E esta situação levou mesmo as acções da empresa a desvalorizarem em bolsa.

 

Mas, no passado dia 2 de Agosto, na "conference call" de apresentação de resultados do segundo trimestre, o presidente da empresa aproveitou a primeira questão colocada por Sacconaghi para lhe pedir desculpa.

 

De acordo com a CNBC, Elon Musk lamentou a sua falta de educação no encontro anterior e afirmou: "Violei as minhas próprias regras a este respeito. Não há desculpa." Esta atitude acabou por ser algo surpreendente e surgiu numa altura em que as acções da empresa têm estado sob pressão devido aos receios dos investidores quanto ao estilo de liderança de Elon Musk.

 

Mas, ainda que tenha sido surpreendente, este pedido de desculpa foi bem recebido pelos investidores, com as acções da empresa a dispararem 10% logo na quarta-feira, na negociação do "after hours". Na quinta-feira, subiram mais de 11%.

 

A Tesla viveu alguns dissabores até conseguir chegar ao prometido e desejado ritmo de produção do seu Model 3 de 35.000 dólares – um modelo tão aguardado que contou com milhares de pré-encomendas em todo o mundo, mesmo antes de ter sido conhecido o seu design.

 

Mas, em inícios de Julho, a Tesla brilhou em bolsa, à conta do anúncio de que produziu 5.031 Model 3 – da versão de 35.000 dólares – nos últimos sete dias do segundo trimestre. E o valor dos 35.000 dólares é muito importante, uma vez que Model 3 mais caros já se podem comprar mas este, o tão aguardado, ainda não é conduzido nas estradas mundiais.

 

Tudo parecia, pois, bem encaminhado, quando em Julho a empresa anunciou que estava finalmente a produzir ao ritmo desejado. No entanto, os analistas de Wall Street começaram a questionar a capacidade da empresa para manter um ritmo de produção de 5.000 carros por semana.

 

E estas dúvidas também se prenderam com novas "distracções" de Musk, que não agradaram ao mercado. A Tesla caiu perto de 4% na sessão de 16 de Julho, com analistas e investidores a revelarem-se preocupados com os comentários de Musk sobre o noticiado resgate na gruta tailandesa.

 

Enquanto decorriam os trabalhos para tentar salvar 12 jovens e o seu treinador de uma gruta na Tailândia, Elon Musk ofereceu um mini-submarino criado pela SpaceX, para ajudar nas operações.

 

Narongsak Osottanakorn, líder da operação de resgate na Tailândia, recusou o mini-submarino, dizendo que não se adequava à tarefa. Musk respondeu no Twitter, a 10 de Julho, dizendo que Osottanakorn não era o especialista naquela matéria.

 

Além de não ter gostado da rejeição do seu aparelho, Musk insistiu e fez a mesma oferta a um dos mergulhadores da equipa de resgate, o britânico Vernon Unsworth.

 

Acontece que também o mergulhador britânico recusou o mini-submarino, tendo dito que não tinha qualquer hipótese de funcionar. E mais: Unsworth disse que Musk poderia meter o seu submarino "naquele sítio onde dói".

 

Elon Musk não gostou e respondeu com um tweet no domingo, 15 de Julho, dizendo que a sua equipa irá filmar um vídeo do mini-submarino a fazer todo o percurso até à referida gruta "sem qualquer problema". Mas não se ficou por aqui e escreveu ainda: "desculpa lá, pedófilo, mas estavas a pedi-las".

 

Musk não justificou por que razão chamou pedófilo a Unsworth e a esposa do mergulhador disse que o seu marido estava a ponderar intentar uma acção em tribunal contra Musk, refere a Reuters.

 

Ambos os tweets de Elon Musk foram entretanto apagados da sua conta do Twitter e o CEO acabou por pedir desculpas.

 

Inúmeros analistas e investidores disseram à Reuters, sob anonimato, que os comentários de Musk têm contribuído para os receios de que as suas declarações públicas o estejam a desviar do negócio principal da Tesla – que é produzir veículos eléctricos.

A 1 de Agosto, a fabricante de veículos eléctricos Tesla anunciou uma perda no segundo trimestre superior ao que o consenso do mercado projectava. Mas as receitas entre Abril e Junho atingiram um recorde e os analistas aplaudiram.


(notícia actualizada às 19:04)




Saber mais e Alertas
pub