Tecnologias O jantar mistério do presidente da Apple com o da Google

O jantar mistério do presidente da Apple com o da Google

Uma fotografia de Tim Cook com Sundar Pichai está a correr o mundo. Jantaram juntos e isso está a motivar muita curiosidade no mundo tecnológico.
O jantar mistério do presidente da Apple com o da Google
.
Negócios 12 de março de 2017 às 21:49

Uma fotografia está a suscitar grandes especulações nos meios tecnológicos. O presidente da Apple, Tim Cook, e o da Google, Sundar Pichai, foram apanhados numa fotografia a jantarem num restaurante vietnamita em Palo Alto, Califórnia, chamado Tamarine.


Várias publicações internacionais, como a Business Insider, Fortune e CNBC publicaram textos tentando adivinhar os temas da conversa, mas não foram bem sucedidas nas tentativas de comentários oficiais por parte das duas empresas.


Tudo começou quando, segundo conta a CNBC, Steve Sims, fundador do serviço de concierge (assistência personalizada) Bluefish, estava a receber um cliente empresarial no restaurante. Viu os dois executivos das tecnológicas por volta das nove da noite na Califórnia e fotografou-os. Publicou a foto na sua conta do Instagram com a legenda: "sabemos que um restaurante é bom quando Tim Cook e Sundar Pichai estão no mesmo local".


A CNBC acrescenta que Sims não ouviu a conversa que os dois estavam a ter. As publicações que reproduzem a foto e falam do encontro não questionam a sua veracidade.


Ter os dois presidentes das gigantes tecnológicas à mesma mesa fez, no entanto, iniciar-se conversas sobre o que estariam a discutir. As duas empresas, que têm uma capitalização bolsista conjunta de 1,5 biliões de dólares, são rivais no mercado, nomeadamente com a concorrência entre o Android e o iOS, mas têm, nos últimos tempos, partilhado causas comuns.


A Google apoiou a Apple no litígio com o FBI que no ano passado a obrigou a desbloquear o telemóvel de um terrorista, e também recentemente tiveram a mesma posição sobre a política de imigração de Trump – ambas foram signatárias de um depoimento que condenam a política de Trump de limitar a entrada de imigrantes de sete países nos EUA - ou sobre as mais recentes revelações da Wikileaks que diz ter documentos que provam o acesso a informação pessoal através de telemóveis e televisões. A CIA conseguiria, segundo revelações da Wikileaks, ouvir conversas através dos microfones incorporados nos equipamentos. A Apple declarou que trabalha constantemente para aumentar a segurança dos iPhones e que muitas das vulnerabilidades identificadas nos documentos já foram resolvidas na última versão do sistema operativo iOS. Também a Google diz que já resolveu muitos dos problemas identificados na documentação divulgada.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub