Tecnologias Solução de parqueamento austríaca vence “battle” da VW Financial Services

Solução de parqueamento austríaca vence “battle” da VW Financial Services

A Parkbob, uma solução de origem austríaca que visa facilitar o estacionamento nas cidades, venceu o “Startup Battlefield” da Volkswagen Financial Services Portugal. Houve mais três vencedores.
Solução de parqueamento austríaca vence “battle” da VW Financial Services
Miguel Baltazar
Ana Laranjeiro 12 de outubro de 2017 às 22:03

O objectivo da aplicação móvel da austríaca Parkbob é facilitar o estacionamento dentro das cidades e foi a vencedora do "Startup Battlefield" da Volkswagen Financial Services Portugal, que decorreu esta quinta-feira, em Lisboa.

"Ajudamos as pessoas a encontrar um lugar de estacionamento nas cidades. Por um lado digitalizando todas as regras e restrições, que normalmente não estão num formato digital. Por outro, agregamos em tempo real eventos de parqueamento", conta ao Negócios Maximilian Mayer, Business Development da empresa.

Para perceber quando é que um lugar fica vago, e se é permitido o estacionamento a todos os automobilistas, esta solução conjuga, além das regras, imagens de satélite e algoritmos que "extraem automaticamente os parques de estacionamento das imagens". Imagens essas que vão ser comparadas com outras fontes de informação no sentido de avaliar se um lugar está vago, explicou o responsável. Actualmente em 28 cidades, a Parkbob só deve chegar a Lisboa no próximo ano.

Em segundo lugar neste concurso ficou a portuguesa MUB Cargo, que tem uma aplicação móvel para fornecer um serviço de transporte de mercadorias para empresas ou particulares. Mariana Gomes conta que a start-up decidiu concorrer com o "propósito de obter um selo de qualidade, uma pequena ajuda monetária e também pela presença no Web Summit". E faz um balanço positivo da actividade, lançada em Novembro do ano passado, sublinhando que tiveram "uma subida inesperada de vendas no Verão", apontando agora o foco para o mercado espanhol, onde se preparam para entrar.

No último lugar do pódio, ficaram duas start-ups: a AddVolt e a HypeLabs. A AddVolt tem a solução WeTruck, que permite que a energia gerada através das travagens alimente a câmara frigorífica de um camião. "O que nos trouxe foi a aproximação ao grupo Volkswagen, uma marca que tem camiões", adiantou Bruno Azevedo, CEO. Questionado sobre os projectos para o futuro, o responsável apontou que "há um ano um dos maiores objectivos era entrar no mercado da Europa Central". Hoje "já conseguimos ter tecnologia a bordo de veículos na Alemanha e agora o objectivo é consolidar esses mercados".

A HypeLabs, explica Carlos Lei, um dos fundadores, tem "um SDK, que é um software que permite que qualquer dispositivo se ligue mesmo quando não há internet". "O software identifica o dispositivo, identifica se existe uma antena Bluetooth ou wi-fi, e escolhe um destes canais ou vários, em tempo real, e liga a todos os dispositivos que estão na proximidade". Podendo ser usado em várias áreas, no caso da condução, Carlos Lei aponta que o objectivo é "tentar que haja uma maior interacção entre os veículos e o utilizador". A empresa está em processo de "fechar algumas patentes para entrar no mercado". Há pilotos que estão a ser usados em 400 empresas, "mas temos uma fila de espera de cerca de 1.500" para testarem o piloto.

Luís Schunk, "country manager" da Volkswagen Financial Services em Portugal, explicou que estas empresas foram as vencedoras porque, "em cada uma, vimos que estão a abordar um tema que, para os nossos clientes, é um problema". O primeiro classificado recebeu um prémio de 2.500 euros, três meses gratuitos de incubação no espaço da Volkswagen Financial Services na Second Home, em Lisboa, e um espaço no Web Summit. O segundo e o terceiro classificados vão também contar com um espaço no Web Summit e prémios monetários.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub