Tecnologias Tecnológica portuguesa escolhida para maior incubadora de hardware do mundo

Tecnológica portuguesa escolhida para maior incubadora de hardware do mundo

A Findster, uma empresa portuguesa de dispositivos de localização, foi uma das dez companhias mundiais escolhidas para integrar o maior incubadora de hardware do mundo, a HAX Boost.
Lusa 16 de Janeiro de 2016 às 22:03

O processo de incubação começa em fevereiro e terá a duração de seis semanas, período durante o qual os quadros da empresa terão acesso a formações com especialistas na área de retalho, marketing digital e logística.

 

"A selecção da Findster representa o reconhecimento pela criação de uma tecnologia diferenciada, que vem estabelecer um novo paradigma no segmento dos dispositivos de localização, permitindo a sua democratização", disse a empresa em comunicado.

 

O director operacional da empresa, André Carvalheira, disse à Lusa que a empresa do Porto vai mudar parte das suas operações para São Francisco, na Califórnia, no seguimento deste processo.

 

"A experiência deles aliada ao facto de movermos parte das operações para São Francisco vai ser muito importante para conhecermos ainda melhor os nossos clientes e podermos entrar de forma mais rápida e eficiente no mercado de Estados Unidos", explicou André Carvalheira.

 

A Findster vai começar por comercializar, já em fevereiro, dois pequenos dispositivos para crianças e animais domésticos que permitem aos pais e donos saber a todo o momento onde estão os filhos e os animais de estimação.

Permitindo a monitorização em tempo real, a tecnologia permite actuar de forma preventiva em casos de desaparecimento, criando cercas virtuais de segurança que alertam o utilizador sempre que o perímetro é ultrapassado.

 

Findster é também o primeiro sistema de localização a nível mundial que não exige o pagamento de mensalidades.

 

Numa primeira campanha de crowdfunding no ano passado, a empresa conseguiu angariar 120 mil dólares (cerca de 110 mil euros) vindos de 52 países diferentes.

 

"Além da validação de mercado a nível global, os 120.000 dólares que alcançámos foram fundamentais para tornar possível a primeira produção industrial do Findster", disse Carvalheira.

 

A campanha serviu também, explica o responsável, para perceber que cerca de 70% dos clientes vinha dos Estados Unidos.

 

"É nos Estados Unidos que neste momento estão a maioria dos nossos clientes e portanto faz todo o sentido que seja um dos nossos mercados prioritários", disse o diretor operacional.

Carvalheira acredita que incubadora HAX, que ajudou mais de 65 produtos a entrar no mercado nos últimos três anos e tem mais de 300 'start-ups' no seu portfólio, será fundamental na entrada deste mercado.

 

As ambições da empresa do Porto são, no entanto, mundiais.

 

"O facto de já termos tido compras de pessoas de 52 países diferentes mostrou que o mercado do Findster é global e é por isso que vamos continuar a vender o Findster para todo o mundo através da nossa loja online", acrescentou André Carvalheira.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub