Tecnologias Trump acusa Google de manipular resultados das pesquisas contra si

Trump acusa Google de manipular resultados das pesquisas contra si

Numa publicação no Twitter, o presidente dos Estados Unidos escreveu que a situação "é muito séria" e "será abordada".
Trump acusa Google de manipular resultados das pesquisas contra si
reuters
Rita Faria 28 de agosto de 2018 às 12:30

O presidente dos Estados Unidos acusou esta terça-feira, 28 de Agosto, a Google de manipular os resultados das pesquisas no seu motor de busca de forma a apresentar apenas conteúdos negativos sobre si.

Recorrendo à sua rede social de eleição, o Twitter, Donald Trump, chamou-lhe uma situação "muito séria" que "será abordada".

"Os resultados de pesquisa no Google para 'Trump News' mostram apenas a visão/publicação dos Fake New Media. Por outras palavras, estão MANIPULADOS, em relação a mim e a outros, para que quase todas as histórias e notícias sejam MÁS. A falsa CNN é proeminente. Os media republicanos/conservadores e justos são excluídos. Ilegal", escreveu Trump, na sua mais recente alegação de imparcialidade por parte dos meios de comunicação social.

Numa outra publicação, Trump reiterou que a Google "e outros" estão a silenciar as vozes dos conservadores e a esconder propositadamente informações positivas.

"A Google e outros estão a suprimir as vozes dos conservadores e a esconder informação e notícias que são boas. Estão a controlar o que podemos e não podemos ver", acusou Trump acrescentando que esta é uma situação "muito séria" que "será abordada".

Já no passado dia 24 de Agosto, o líder da Casa Branca havia acusado as redes sociais de "silenciarem milhões de pessoas", apontando também o dedo aos meios de comunicação social e à investigação sobre a alegada ingerência na Rússia nas eleições presidenciais de 2016 por serem tendenciosos e distorcerem os factos contra si.

Em Julho, porém, quando a Comissão Europeia aplicou uma coima de 4,34 mil milhões de euros à Google por abusar da posição dominante do Android, Trump saiu em defesa da gigante atacando a União Europeia e dizendo que a empresa é "uma das melhores da América".