Tecnologias YouTube e Google acusados de práticas ilegais por 23 associações dos EUA

YouTube e Google acusados de práticas ilegais por 23 associações dos EUA

Associações norte-americanas acusaram o YouTube e a empresa Google, detentora daquele 'site' de partilha de vídeos, de recolher dados pessoais de crianças e de os utilizar para direccionar os anúncios de publicidade, que consideram práticas ilegais.
YouTube e Google acusados de práticas ilegais por 23 associações dos EUA
Reuters
Lusa 09 de abril de 2018 às 07:30
23 organizações de defesa dos direitos digitais e de protecção da infância apresentaram uma queixa junto do regulador norte-americano do comércio, na qual pedem que investigue estas práticas.

Segundo as associações, a Google recolhe as informações pessoais de menores no YouTube, apesar de este 'site' estar oficialmente proibido a menores de 13 anos, incluindo a sua localização, o equipamento utilizado ou os contactos telefónicos de telemóvel.

"A Google arrecada estas informações sem informar previamente os pais, utilizando-as para direccionar a publicidade para crianças em toda a Internet", afirmam as associações.

Segundo, Josh Golin, da campanha para uma infância sem publicidade, uma das organizações que subscreveu o pedido de investigação, "há anos que a Google abandonou a sua responsabilidade para com as crianças e famílias, alegando, erroneamente, que o YouTube - um 'site' cheio de desenhos animados e publicidade de brinquedos - não é para crianças".

"A empresa Google obtém lucros gigantescos com os anúncios publicitários para crianças e deve respeitar a COPPA", a lei norte-americana de protecção da privacidade das crianças na Internet, adiantou Josh Golin.

As associações consideram que as práticas da Google contrariam esta lei, de 1998, que proíbe 'sites' destinados a crianças ou que se sabe que estas os utilizam de recolher e usar tais informações sem acordo dos respectivos pais".

Contactada pela agência France Press, um porta-voz da empresa referiu que o grupo ainda não teve conhecimento da queixa, que ainda não tinham conhecimento da queixa, mas garantiu que proteger as crianças e as famílias é uma prioridade".

"Como o YouTube não é para crianças, investimos de uma forma significativa para criar a aplicação YouTube Kids, que propõe uma alternativa especialmente destinada às crianças", realçou o porta-voz.

A queixa surge nua altura de desconfiança relacionada com a gestão de dados pessoais na Internet, em particular pelo Facebook, na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.

O Facebook admitiu a semana passada à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

Dois dias antes, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, revelou que um total de 87 milhões de utilizadores da rede social terá sido afectado.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub