Redes Sociais Conta falsa de Centeno no Twitter obriga a desmentido do FMI

Conta falsa de Centeno no Twitter obriga a desmentido do FMI

Durante cerca de 24 horas, o ministro português - eleito presidente do Eurogrupo - foi alvo de uma conta falsa criada em seu nome, que até "matou" por horas a directora-geral do FMI. Foi suspensa na última hora e dará lugar a uma nova conta - agora oficial.
Conta falsa de Centeno no Twitter obriga a desmentido do FMI
EPA
Paulo Zacarias Gomes 05 de dezembro de 2017 às 17:43
Os utilizadores das redes sociais terão dado por isso: durante o processo de candidatura ao Eurogrupo, Mário Centeno era o único dos quatro candidatos ao cargo sem uma conta em nome pessoal no Twitter. Tanto Peter Kažimír, como Dana Reizniece-Ozola e Pierre Gramegna já tinham a sua presença na plataforma e foram-na usando como parte da sua estratégia de comunicação. Fosse para apresentar-se à corrida (como Kažimír) ou para dar os parabéns a Centeno (como aconteceu com Gramegna e Ozola).

Mas, sensivelmente à mesma hora que em Bruxelas Mário Centeno era confirmado, numa segunda volta, como presidente do Eurogrupo, a rede social mostrava um novo inquilino. Mario Centeno (assim, sem o acento), com o nome de utilizador @MCentenoEU. É das 14:12 que data a primeira mensagem publicada esta segunda-feira, 4 de Dezembro.

Com um "Welcome!", a "conta oficial" do "ministro das Finanças de Portugal" - pelo menos é assim que se apresenta - dava as boas-vindas aos utilizadores.

Horas depois, o utilizador da conta deixou uma mensagem de agradecimento, numa referência à escolha para liderar o fórum de ministros das Finanças do euro: "Muito honrado por ser o novo Presidente do Eurogrupo. Obrigado!"


Em pouco mais de 24 horas, a conta conquistou 287 seguidores. Mas havia - e há - uma questão: era uma conta fictícia, criada em nome de Centeno. Mas se as primeiras mensagens se revelaram inofensivas - e até uma delas dizia tratar-se de uma conta falsa, alegadamente criada pelo jornalista italiano Tommasso Debenedetti, já o mesmo não se pode dizer de uma mensagem colocada já esta terça-feira na rede social.

"Uma notícia terrível. Christine Lagarde, a directora-geral do IMF morreu subitamente há minutos. Não há detalhes.". Assim, às 13:33 de hoje.

A declaração obrigou o porta-voz do Fundo Monetário Internaciona (FMI) a vir a terreiro, na mesma rede, a pedir que se ignorasse a "falsa notícia".


E o Conselho da Europa, no seio do qual funciona o Eurogrupo, pediu aos utilizadores que denunciassem a mensagem, oriunda de uma conta falsa. E acrescentava estar em contacto com o gabinete de Mário Centeno para que interviesse de forma a que a conta pudesse ser eliminada.


Fonte do Ministério das Finanças disse esta terça-feira ao Negócios que a existência da conta falsa já tinha sido detectada durante o dia de ontem e que iniciou desde logo as tentativas pata a cancelar - que até apresentava como endereço na internet o da morada oficial do Governo (portugal.gov.pt). Nos últimos minutos, por volta das 17:15, a conta foi finalmente suspensa.

Mas se desaparece a conta fictícia, para que não restem dúvidas no futuro, no seu lugar deverá surgir uma outra. Na próxima hora, segundo garantiu fonte do gabinete do Ministério das Finanças, Mário Centeno passará a ter finalmente uma presença oficial no Twitter.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT87641
30 segundos da vossa atenção bastam para ajudar na regularização dos salários dos mais de 100.000 (!) portugueses a trabalhar em Angola.

Hmmm Há 1 semana

Manobra da direita ressabiada outro tancos

Anónimo Há 1 semana

Jornalista Italiano... hum cheira-me a mafia...

pub