Redes Sociais Zuckerberg acusado de montar "esquema fraudulento" para aceder a dados dos utilizadores

Zuckerberg acusado de montar "esquema fraudulento" para aceder a dados dos utilizadores

Uma empresa colocou o Facebook em tribunal, alegando que a rede social em público demonstrava preocupação com a privacidade dos utilizadores da rede social, mas nos bastidores explorava informação privada.
Zuckerberg acusado de montar "esquema fraudulento" para aceder a dados dos utilizadores
Negócios 24 de maio de 2018 às 14:04

O fundador e presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, está a ser acusado de ter montado um "esquema fraudulento" com o objectivo de explorar uma vasta quantidade de dados privados, de modo a aumentar as receitas da empresa e travar a entrada de concorrentes no negócio.

 

A notícia está a ser avançada pelo The Guardian, que cita o caso que foi interposto contra Zuckerberg num tribunal na Califórnia, na semana passada. Segundo a acção legal, que entrou no tribunal superior de San Mateo, através desse esquema, o Facebook consegui aceder a dados de toda a rede de amigos da rede social.

 

Na documentação que a Six4Three, uma antiga "start up" que avançou para tribunal com esta denúncia, juntou ao caso, consta um vasto número de e-mails e mensagens confidenciais trocados entre gestores do Facebook, incluindo Mark Zuckerberg.

 

Segundo o jornal britânico, o Facebook nega todas as acusações e solicitou que o caso não prossiga em tribunal.

 

Esta não é a primeira vez que a Six4Three coloca o Facebook em tribunal. Em 2015 processou a rede social depois desta ter impedido terceiros de aceder aos dados os amigos na rede social. A Six4Three investiu na altura 250 mil dólares numa aplicação que permitiu aos utilizadores encontrar as fotos dos seus amigos quando estes estavam em fato de banho.

 

Agora alega que a correspondência que enviou para tribunal mostra que o Facebook em público demonstrava preocupação com a privacidade dos utilizadores da rede social, mas nos bastidores explorava informação privada.

 

Alega também que as mensagens e e-mails em causa provam que o Facebook implementou um esquema "abusivo" e "cínico" que visava explorar o acesso a informação privada dos utilizadores, ao mesmo tempo que negava o acesso a outras empresas, limitando assim a concorrência.

 

"A evidência descoberta pelo queixoso demonstra que o escândalo da Cambridge Analytica não foi mero resultado de negligência do Facebook, mas antes a consequência directa de um esquema fraudulento e malicioso que Zuckerberg desenhou em 2012 para encobrir o seu fracasso em antecipar a transacção do mundo para os smartphones", refere a Six4Three no caso que entregou em tribunal.




pub