Telecomunicações Altice compra americana Cablevision por 15,7 mil milhões de euros

Altice compra americana Cablevision por 15,7 mil milhões de euros

A Altice fez mais uma aquisição, mas desta vez no mercado norte-americana. A empresa fundada por Patrick Drahi chegou a acordo para comprar a Cablevision por 17,7 mil milhões de dólares (15,7 mil milhões de euros).
Altice compra americana Cablevision por 15,7 mil milhões de euros
Ivan Guilbert/Bloomberg
Sara Antunes 17 de setembro de 2015 às 07:52

A Altice e a Cablevision "anunciaram hoje que chegaram a um acordo definitivo" que passa pela compra da americana por parte da francesa, que em Portugal é dona da Meo. O acordo determina que a "Altice vai pagar 34,90 dólares em dinheiro por cada acção da Cablevision", revela o comunicado emitido esta quinta-feira, 17 de Setembro.

 

A contrapartida oferecida representa um prémio de 22% face ao valor de fecho da Cablevision na sessão de ontem (28,54 dólares).

 

"A compra da Cablevision representa um novo passo para a Altice no mercado dos EUA depois do anúncio de compra da Suddenlink este ano. Juntas as duas operadoras representam a quarta maior operadora de cabo no mercado dos EUA", adianta o comunicado.

 

A francesa que comprou os activos da PT em Portugal salienta que "a compra da Cablevision pela Altice representa uma empresa avaliada em 17,7 mil milhões de dólares." A operação "vai ser financiada com 14,5 mil milhões de dólares de nova e já existente dívida da Cablevision" e os restantes "3,3 mil milhões de dólares em dinheiro da Altice", acrescenta a mesma fonte.

 

A Altice diz ainda que os "detentores de acções representativas da maioria do capital da Cablevision" assinaram acordos onde aprovam a operação, sendo que esta aquisição "não está sujeita a mais aprovações de accionistas."


As acções da Cablevision fecharam a última sessão a valer 28,54 dólares, acumulando desde o início do ano um ganho de 38,28%. Já a Altice encontra-se nos 24,335 euros. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub