Telecomunicações Anacom discorda que CTT escolham auditor para qualidade de serviço

Anacom discorda que CTT escolham auditor para qualidade de serviço

O presidente da Anacom discorda que sejam os CTT a escolher a empresa que monitoriza os critérios de qualidade do serviço.
Anacom discorda que CTT escolham auditor para qualidade de serviço
Bruno Simão
Alexandra Machado 12 de janeiro de 2018 às 18:57
A Anacom discorda que sejam os CTT a contratualizar a entidade independente que monitoriza o seu serviço. Os CTT contrataram a PriceWaterhouseCoopers (PwC) para monitorizar os indicadores de qualidade.

João Cadete de Matos, presidente da Anacom, discorda. A contratualização de entidade independente, prevista na lei como sendo da responsabilidade dos CTT, é algo que "está errado e devia mudar".

No Parlamento, onde falou sobre os CTT, o presidente da Anacom disse mesmo ser seu "entendimento e da Anacom que esta situação está errada. Está na lei, resulta do que foi aprovado", mas não merece a concordância do regulador.

João Cadete de Matos também respondia depois de terem sido levantadas suspeições de que a monitorização tinha problemas. "No fim do dia, não basta definir indicadores mais exigentes, temos de garantir que são efectivamente observados. E que são os verdadeiros. Não podemos ter nenhuma dúvida sobre isso. Temos de garantir que o sistema é um sistema fiável, rigoroso e em que podemos confiar". 

Não podendo alterar o que está previsto na lei, Cadete de Matos acrescentou no entanto que, no sentido provável de decisão sobre os indicadores de serviço para os CTT a vigorar de 2018 a 2020, prevê que o futuro caderno encargos que os CTT façam para escolher o prestador do serviço de monitorização fique "sujeito a validação pela Anacom e que os procedimentos sejam aprovados pela Anacom".

João Cadete de Matos explicou, ainda, que já fez saber aos CTT e à PriceWaterhouseCoopers (PwC), que mede a qualidade de serviço, que está a auditar as medições, podendo haver mudanças na forma de monitorizar os níveis de serviço. 

"Não tive dúvidas em dizer ao presidente dos CTT e à PwC que não pode haver qualquer suspeita, quer com indicadores em vigor quer com novo sistema. É obrigatório evitar qualquer interferência dos CTT no teste, a amostra tem de ser anónima e os sistemas de certificação rigorosos. Não se podem criar condições para esta suspeita. Foi esta a posição clara que transmiti aos CTT e PwC para se encontrar soluções". 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Bela 15.01.2018

Perseguição?

CTT tem de dar lucro 13.01.2018

A inveja está a destruir lentamente mais uma empresa portuguesa.
Querem que eu acredite que o Estado faz melhor?
Os carteiros serão mais profissionais, os tempos de espera no atendimento melhoram?
O que qurem é lugares para meterem os amigalhaços nos tachos

Ciifrão 13.01.2018

A Anacom deve querer nomear o BE como auditor. Que se saiba as auditorias são contratadas pela empresas.

Saber mais e Alertas
pub