Telecomunicações Comunicações móveis quase restabelecidas

Comunicações móveis quase restabelecidas

Desde o passado sábado que a Meo, a Nos e a Vodafone têm técnicos no terreno para tentar solucionar os problemas nas suas redes. Os operadores garantem que os serviços de comunicações já estão quase repostos.
Comunicações móveis quase restabelecidas
Vítor Mota/Correio da Manhã
Sara Ribeiro 19 de junho de 2017 às 21:51
Os operadores garantem que os serviços de comunicações já estão quase repostos nas zonas que foram assoladas pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande. Desde o passado sábado que as três principais operadoras portugueses têm técnicos no terreno para tentar mitigar os problemas nas suas redes, que foram afectadas pelos vários fogos.

A Nos informou, em comunicado, que os seus serviços "já se encontram praticamente repostos na região afectada pelo incêndio", que começou no concelho de Pedrógão Grande. "Na sequência do incêndio, quatro estações de rede da Nos foram afectadas" . Mas três "já se encontram operacionais, prevendo-se a reposição total dos serviços no decorrer das próximas horas", informou a operadora na segunda-feira à tarde.

Já a Meo refere que a sua rede móvel  "está   parcialmente restabelecida". Em algumas zonas ainda não está reposta devido a factores como a falta de energia ou a impossibilidade de aceder aos locais, explicou fonte oficial da operadora.

A Vodafone sublinha que "tem estado a acompanhar o desenvolvimento do incêndio em Pedrógão Grande, com equipas técnicas presentes no local e também através do centro de operações que monitoriza a rede 24 horas por dia".

A operadora liderada por Mário Vaz informou que tem também "algumas antenas sem serviço devido a falta de energia eléctrica". Mas "nos locais onde foi possível aceder, como é o caso de Castanheira de Pera, já procedeu à instalação de geradores, estando o serviço totalmente reposto".

A Meo, que garante que tem trabalhado em parceria com o Ministério da Administração Interna e com o SIRESP por exemplo, instalou também um centro de operações no terreno, onde estão cerca de 50 técnicos. Quanto à rede SIRESP, utilizado por bombeiros ou outras entidades de protecção civil para comunicarem entre si, "está a funcionar com toda a normalidade", garantiu o gabinete da ministra da Administração Interna.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub