Telecomunicações Costa volta a criticar PT. Estrutura da rede tem uma “fragilidade inadmissível”

Costa volta a criticar PT. Estrutura da rede tem uma “fragilidade inadmissível”

Sobre as falhas de comunicações durante os incêndios que assolaram o centro do país, António Costa diz já ter falado com a administração da PT, tendo salientando que a estrutura da rede a expõe a “uma fragilidade inadmissível”.
Costa volta a criticar PT. Estrutura da rede tem uma “fragilidade inadmissível”
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 17 de julho de 2017 às 14:04

"Ainda na semana passada tive oportunidade de transmitir à administração da PT como é essencial que os cabos por onde circulam todas as comunicações de emergência não sejam aéreos", afirmou António Costa, em declarações aos jornalistas, no dia em que faz um mês do incêndio de Pedrógão Grande, que vitimou mortalmente 64 pessoas.

 

"É essencial que os cabos estejam mais protegidos. E temos de ter redundância" nas comunicações. "Temos de ter uma rede que funcione em todas as circunstâncias", salientou, tendo sido questionado sobre os novos problemas identificados este fim-de-semana em Alijó.

 

"O problema que ontem houve pôde rapidamente ser resolvido graças à entrada de uma unidade móvel", tendo este Executivo feito adjudicações e tomado decisões para resolver problemas de um sistema "que funciona há 11 anos" e em que ao longo do tempo foram identificados alguns problemas.

 

"Há mais", sublinhou. "E temos de obrigar a quem explora essa rede de emergência a cumprir as suas obrigações em pleno", acrescentou, salientando que o Governo "obrigará às correcções de forma a que tudo funcione a tempo e horas."

 

"Numa zona de grande densidade florestal, onde há um elevado risco de incêndio, o sistema de comunicações de uma companhia [com António Costa a referir-se à PT] assentar em cabos aéreos, e nessa rede circular não só a comunicação normal como a de emergência, expõe essa rede a uma fragilidade inadmissível", salientou.

Esta é a segunda vez que o primeiro-ministro se refere à PT. A primeira vez foi durante o debate do Estado da Nação, onde criticou "a forma irresponsável" como foi feita aquela venda [da PT, durante o anterior Executivo] "acabe por transformar este caso num caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa".

O primeiro-ministro afirmou mesmo que "por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo".




A sua opinião69
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Caro Jornal de Negócios, é um facto que a Altice em Poortugal, tal como outras organizações portuguesas, está de mãos e pernas atadas devido ao governo socialista, à constituição do PREC de 1976 e à legislação laboral. E isso tem feito e continuará a fazer toda a diferença pela negativa. "As empresas de telecomunicações, tal como outras companhias dos sectores tecnológicos, estão a reestruturar-se, eliminando postos de trabalho a favor da automação, e reposicionando-se em novos projectos" Fonte: “Telecommunications providers, like other tech companies, are undergoing restructuring, losing jobs to automation, and pivoting to new projects,” (Relatório da Challenger, Gray & Christmas de Março de 2017) https://www.challengergray.com/press/press-releases/2017-march-job-cut-report-cuts-rise-17-percent-telecom-retail

comentários mais recentes
António Sequeira Há 6 dias

https://www.noticiasaominuto.com/pais/833179/o-siresp-nao-esta-preparado-para-responder-a-todas-as-necessidades?&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&utm_content=geral

Criador de Touros Há 6 dias

Criticaram-me aqui que fui muito duro a atacar este governo de esquerda nos 64 mortos por negligência em Pedrogão. Este governo de esquerda continua a cometer erros idênticos passado um mês nos gogos que estão a lavrar.

Criador de Touros Há 6 dias

Frágil é este governo de esquerda, que só governa porque uma pessoa quer: o presidente Marcelo dos beijos nas ventas. Nunca um presidente atraiçoou a sua área política como este Marcelo. Desde o 25 de Abril. Tinha direito a não gostar de Passos, não tinha era direito de por causa de Passos destruir politicamente o partido onde fez a vida. Sampaio, um presidente socialista, soube muito mais do que Marcelo, era de esquerda e mostrou que era de esquerda. Marcelo era de direita e passou-para a esquerda. Esta é uma das maiores traições políticas da política portuguesa de sempre. Faz lembrar o traidor Miguel Vasconcelos. É mais grave atraiçoar com a esquerda que com Espanha.

É um Problema Empresarial, ou Político Há 6 dias

O Costa Fez uma Critica aos futuros donos da TVI,
O Passos criticou o Costa por o Costa fazer essa essa Crítica, saindo em apoio da ALTICE
A ALTICE é um problema Empresarial ou Político move-se em sistema Partidário ou Empresarial ?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub