Telecomunicações Nova lista de credores da Oi mantém Bava e duplica dívida ao Haitong

Nova lista de credores da Oi mantém Bava e duplica dívida ao Haitong

A segunda lista de credores da Oi continua a incluir o nome de Zeinal Bava. E o valor reclamado pelo ex-BESI mais que duplicou.
Nova lista de credores da Oi mantém Bava e duplica dívida ao Haitong
Miguel Baltazar
Sara Ribeiro 18 de maio de 2017 às 13:40
A segunda lista de credores da Oi já é conhecida. Além da PT Finance, veículo que detém a dívida da antiga PT, a lista inclui outros credores portugueses. Zeinal Bava, a Haitong, a Meo e as sociedades de advogados Serra Lopes Cortes Martins e Abreu Advogados são alguns dos nomes.

A nova lista, divulgada esta quinta-feira, 18 de Maio, ainda não foi oficialmente publicada. Só a partir dessa publicação oficial é que arranca o prazo de 30 dias para contestação.

O nome do antigo CEO da PT e da Oi, Zeinal Bava, continua a integrar a lista de dívidas da Oi.

A operadora, que e está em recuperação judicial, a maior da história brasileira, reconhece uma dívida de 16,9 milhões de reais (cerca de 4,8 milhões de euros) ao antigo gestor de empresa. Este valor, que permaneceu inalterado, estará relacionado com o acordo da saída do gestor da presidência executiva da operadora brasileira em 2014.

Como foi noticiado na altura, Bava ia receber uma indemnização de 5,4 milhões de euros, dividida em 36 parcelas de 150 mil euros.

Já o valor reclamado pela Haitong (ex-BESI) mais que duplicou. Enquanto na primeira lista a dívida do banco de investimento se situava em 64,8 mil reais (18,7 mil euros), agora ultrapassa os 191 mil reais (55,3 mil euros).

A lista da dívida da Oi, que totaliza 65,4 mil milhões de reais (18,9 mil milhões de euros), inclui ainda a sociedade de advogados Serra Lopes Cortes Martins, que reclama 282 mil reais, e Abreu Advogados 32 mil reais.

A dívida reconhecida pela Oi à Meo também se manteve em 4,4 milhões de reais (perto de 1,2 milhões de euros).

Obrigacionistas da antiga PT de fora da lista

A dívida da Portugal Telecom International Finance (PTIF) também integra este universo. Segundo as contas da Oi, situa-se em 15 mil milhões de reais (3,8 mil milhões de euros), valor que inclui o montante que não foi reembolsado aos investidores portugueses que em 2012 compraram obrigações da antiga PT.

A nova lista "inesperadamente", "continua a não incluir qualquer dos nomes dos credores obrigacionistas da PTIF que reclamaram os seus créditos", conta Ricardo Marques Candeias, da sociedade de advogados Candeias & Associados.

"Esta decisão do administrador judicial é tão mais inesperada e desadequada quando, a 4 de Outubro de 2016, o próprio tribunal judicial da 7º Vara do Rio de Janeiro tinha decidido do direito dos credores de reclamarem, individualmente, os seus créditos", relembra.

"Seja como for, estamos convencidos que o administrador judicial optou por uma solução intermédia: por um lado, entendeu que os credores já estavam representados pela CITICORP TRUSTEE (os créditos que constam da lista é de 3.920 milhões de euros) pelo que não haveria necessidade de constarem os seus nomes, individualmente".

Por outro lado, continuou, "irá permitir que os credores que reclamaram créditos possam participar na assembleia de obrigacionistas e possam votar, como se o seus nomes estivesse na referida lista".

A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Foi criado um novo grupo no Facebook para reunir os membros que manifestem interesse em fazer parte da associação, onde serão divulgadas informações, vantagens, custos, atuações, entre outras, como por ex. um representante cmvm.
ou então contacte :Alope Lesados PT

Anónimo Há 2 dias

Cambada de ladrões,roubaram me 17 mil euros q tinha apelidos em acções e esses trafulhas ficaram ricos com o que me roubaram a mim e a outros pobres como eu
Lamentável mente ainda ninguém os meteu na cadeia e continuam a fazer vida de ricos à custa daqueles que roubaram

Jota Há 2 dias

A unica forma de a Pharol distribuir "dividendos" tendo tido prejuizos é distribuir o cash que tem no balanço. Mas depois como é que se paga aos administradores? Com mais divida? E quem empresta? Dividendos para uma empresa que teve prejuizos é uma bocado pateta, mas ainda há quem fala nisso...

jacques Há 3 dias

Bom dia
Desculpa o meu portugues.
A dividendos previsto e isso?
Quem pode me dar uma resposta certa.
Parra a actual cotaço e ao fim do processo OI a Pharol vai tocar os 0,70 cts este ano.

ver mais comentários
pub