Telecomunicações Rede Payshop vai ser integrada no Banco CTT

Rede Payshop vai ser integrada no Banco CTT

O Banco CTT vai passar a gerir a rede física da Payshop. A empresa garante que a marca Payshop não vai acabar e que em breve vai lançar “novas soluções na área dos pagamentos”.
Rede Payshop vai ser integrada no Banco CTT
Sara Ribeiro 12 de janeiro de 2018 às 16:51

Os CTT vão integrar a rede Payshop no banco postal. A informação foi confirmada pela empresa liderada por Francisco Lacerda em comunicado enviado às redacções.

 

A empresa, que tem em curso a implementação de um plano de reestruturação de custos, justifica a medida com "o objectivo de reforçar o desenvolvimento dessa plataforma de pagamentos e a oferta de novos serviços e produtos integrados".

 

Os Correios garantem ainda que a marca Payshop "será mantida", estando até "previsto para breve o lançamento de novas soluções na área dos pagamentos".

"Esta alteração permitirá ao Banco CTT aumentar a proximidade com os seus clientes através da rede física da Payshop, que conta com mais de 4.000 agentes, a qual irá complementar a rede de 208 balcões as plataformas digitais da instituição financeira", sublinha no mesmo comunicado.

A integração da rede Payshop no banco postal tinha sido anunciada esta sexta-feira pelo representante da Comissão de Trabalhadores dos CTT, José Rosário, no Parlamento, durante um conjunto de audições sobre os Correios.

 

Francisco Lacerda, presidente executivo dos CTT, considera que "a integração da Payshop no Banco CTT enquadra-se na estratégia dos CTT de reforçar a área dos serviços financeiros, a qual, a par das encomendas, irá conduzir o crescimento futuro".

Já Luís Pereira Coutinho, presidente da comissão executiva do Banco CTT, acrescenta que "a Payshop será potenciada pelo Banco CTT, na adaptação da plataforma a redes digitais, no reforço da sua proximidade a todos os portugueses e na prestação de serviços ainda mais completos e diversificados."

 

A Payshop permite o pagamento de vários serviços como de facturas de água, electricidade ou gás, bem como o carregamento de telemóveis ou de passes de transporte.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
julius ceaser 13.01.2018

Enquanto a GESTIMG faz o seu caminho ,comprando +3 M de ações a 3,77 € ( até ao controlo absoluto dos CTT ) o resaerch emitido ontem pelo BPI é de doidos , a grande mais valia dos CTT NÃO É O SERVIÇO POSTAL , pouca margem de lucros irá trazendo , vai ser nos CTT EXPRESSO e na Transporta , a margem para crescer é imensa , toda a gente compra pela NET acéfalos do BPI , e isso é que vai tornar os CTT muito lucrativos . O de ontem foi a Goldman Sachs a despejar os milhões de ações que tinham ( eles que não voltem ) ...a recuperação de cotação segue dentro de momentos . .. Qto ao Banco a ver vamos , pior não será . Quando tudo estiver normalizado podem mandar a ANACOM e o SPU ás malvas ...Ahhh eu tenho 7500 ações e REFORÇO.

Anónimo 12.01.2018

Engenharia financeira para melhorar os resultados e o capital do Banco de uma penada.
Melhoram o resultado do banco em mais de 4 milhões e aumentam o capital em 1,5 milhões.
Nas contas consolidadas nada muda.

CTT, queda do cotação sem sentido 12.01.2018

Como em certas situações isto deve apenas a especulação, e nada mais , agora com a entrada PAYSHOP, os CTT ficam mais sólidos, sobre a noticia que fez com que a cotação desvaloriza-se, não faz sentido , a Caixa BI já veio afirmar isso mesmo, espera-se a reposição da cotação para a semana que vem.

pub