Telecomunicações Salários de Granadeiro e Bava baixaram em 2013

Salários de Granadeiro e Bava baixaram em 2013

A remuneração de Zeinal Bava, que a 4 de Junho deu lugar a Henrique Granadeiro na presidência da comissão executiva da Portugal Telecom, continuou a ser superior à do actual CEO da operadora.
Salários de Granadeiro e Bava baixaram em 2013
Pedro Elias/Negócios
Carla Pedro 20 de fevereiro de 2014 às 01:17

Henrique Granadeiro, que a 4 de Junho de 2013 passou a acumular as funções de CEO e de presidente do conselho de administração da PT, que já exercia, auferiu no ano passado 667.457 euros. O valor corresponde ao salário fixo, já que não recebeu qualquer remuneração variável. Um total de 347.519 euros corresponde às funções como CEO e os restantes 319.938 euros foram auferidos como “chairman”.

 

Em 2012, a remuneração de Granadeiro tinha ascendido a 1.270.312 euros, sendo que 617.812 euros corresponderam ao salário fixo e 652.500 euros ao prémio de mandato 2009-2011, refere o relatório e contas consolidadas da PT publicado na CMVM.

 

Já Zeinal Bava, actualmente presidente executivo da Oi e da PT Portugal, auferiu em 2013 um total de 1.013.428 euros (425.113 euros de salário fixo e 588.315 euros de remuneração variável relativa a 2012).

 

Recorde-se que, nos termos da política de remuneração em vigor na PT, este montante variável corresponde a 50% da remuneração variável relativa ao exercício de 2012 e paga em 2013, tendo sido diferido o pagamento de igual montante até 2016.

 

Bava, que a 4 de Junho do ano passado cessou funções de administração da PT SGPS, tinha recebido 1.284.967 euros em 2012, na qualidade de CEO da Portugal Telecom.

 

O total auferido pelos oito membros da comissão executiva da PT em 2013 (onde ainda se incluiu Zeinal Bava até 4 de Junho e onde passou a constar Granadeiro a partir dessa data) foi de 5.884.322 euros. No ano anterior, os sete administradores executivos (os mesmos que em 2013, exceptuando Granadeiro, que apenas presidia ao conselho de administração) tinham auferido um total de 6.053.482 euros.

 

Os três membros da comissão de auditoria receberam em 2013 um total de 581.714 euros, precisamente o mesmo valor que no ano precedente.

 

O conselho de administração, por seu lado, contava em 2013 com 14 membros, mas dois deles – João Nuno de Oliveira Jorge Palma e José Pedro Cabral dos Santos – prescindiram de remuneração por incompatibilidade com outras obrigações profissionais, tendo cessado funções mediante renúncia apresentada a 24 de Outubro.

 

Assim, os 12 membros do conselho de administração que auferiram remuneração fixa atingiram um total de 1.245.156 euros no ano passado.

 

Em 2012, o conselho de administração contava com 15 membros, mas João Nuno de Oliveira Jorge Palma e José Pedro Cabral dos Santos tinham já prescindido nesse ano de remuneração devido à incompatibilidade referida. Além disso, o administrador não executivo Pedro Jereissati renunciou a 15 de Outubro de 2012 às funções que exercia na PT e o administrador Fernando Magalhães Portella foi designado, por cooptação, para o exercício dessas funções, na mesma data. O total auferido pelo conselho de administração em 2012 foi de 2.187.551 euros.

 

No acumulado de todos os administradores executivos e não executivos, a remuneração ascendeu a 7.711.192 euros no ano passado, quando em 2012 tinha totalizado 8.822.747 euros.


A sua opinião37
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado antónio 20.02.2014

É preciso não ter vergonha !!!!!! Num País em que 70% da população vive no limiar da pobreza, como é possível haver remunerações destas.
É verdadeiramente chocante, assim como são as remunerações da EDP e por ai fora, o País não precisa deste tipo de gente, precisa sim de pessoas sérias, honestas que aufiram remunerações dignas mas nada parecido com isto. Remunerações deste tipo deveriam ser taxadas a 95%, as empresas que pagam este tipo de remunerações não deveriam ter qualquer beneficio por parte do Estado, nem de Instituições Europeias.

comentários mais recentes
Anónimo 20.02.2014

remuineração variável?
com esses resultados, mesmo martelados?
está bem!

M. casimiro 20.02.2014

só num País de governantes coruptos, e desonestos, é que, é possivel haver empresas em que os seus gestores, maus aliaz, tendo em conta que se trata de empresas com o monópolio no ramo, ganharem estes valores.
Os lucros que são obtidos por estas empresas, e os consumidores, bem o sabem, são obtidos com recurso ás mais diversas habilidades em termos de serviços. Sempre com a conivência do poder.

Isto só tem um nome: CHULISSE! 20.02.2014

... Mas com muita classe....Tipica destes tipos que se acham o maximo. Uns cerebros.
Para os outros pedem "rigor", "contenção" e "poupança"!
Estranho pais este....

Não me choca, esta anormaildade! 20.02.2014

Num pais que gasta MILHOES a construir estadios de futebol topo de gama, para depois ficarem as moscas e serem pagos pelos municipes e contribuintes....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub