Aviação Sérgio Monteiro: TAP é uma "companhia de bandeira" que vai continuar a prestar serviço público

Sérgio Monteiro: TAP é uma "companhia de bandeira" que vai continuar a prestar serviço público

Sérgio Monteiro, secretário de Estado de Infra-estruturas, escusou-se a comentar nomes e capacidades de eventuais candidatos à privatização da TAP.
Sérgio Monteiro: TAP é uma "companhia de bandeira" que vai continuar a prestar serviço público
Pedro Elias/Negócios
Alexandra Machado 19 de novembro de 2014 às 14:33

À margem do Congresso das Comunicações, Sérgio Monteiro salientou, apenas, que as propostas "terão de ser avaliadas tendo em conta o rigor que vamos colocar no caderno de encargos que vamos aprovar". Obrigações, salientou, financeiras e estratégicas. As obrigações financeiras  têm a ver com o valor que os candidatos se proponham pagar pelas acções da TAP, mas também as obrigações de capitalização. E a nível estratégico de desenvolvimento da companhia. 

 

"Os candidatos que não estejam em condições de cumprir ou os critérios financeiros ou técnicos não podem ver as propostas aceites", salientou Sérgio Monteiro, que acredita que o processo não ficará deserto.

 

"Se não tivéssemos essa expectativa [de ter candidatos] não teríamos relançado o processo de privatização. Fizemos um trabalho aprofundado de análise do mercado e das condições que o mercado aceitaria dentro das restrições mínimas para nós", onde se inclui a venda da manutenção do Brasil que é uma área que perde dinheiro. Sérgio Monteiro explicou que o Estado não pode vender a TAP sem essa área porque senão estaria a privatizar os lucros e a nacionalizar os prejuízos.  

 

Defendeu, por isso, o processo de venda que vai permitir capitalizar a empresa que é uma companhia de bandeira - epíteto que recusou atribuir à PT - "sem por em causa obrigações perante o país". Esta "será sim uma companhia bandeira que presta serviço público na ligação às ilhas e à diáspora". Essas ligações "serão mantidas independentemente do accionista futuro". O Estado manterá uma minoria no capital durante dois anos.


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Raul 21.11.2014

Vais continuar a fazer serviço público e a mandar o dinheiro lá para fora, como estão a fazer as que já vendemos aos estrangeiros.

Dacá 19.11.2014

Nem sabemos o que está representado na nossa bandeira e vem este jovem falar em bandeira..

Anónimo 19.11.2014

A ver vamos.

Prestar serviço ao público, talvez pior, se o Hub de Lisboa acabar, não tenho dúvidas quanto a SERVIÇO PUBLICO deve ser para esquecer.

Anónimo 19.11.2014

os nazis psd e cds não vendem as próprias mães porque ninguém quer essas puutas

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub