Transportes Bicicletas partilhadas em Lisboa só na Primavera de 2017

Bicicletas partilhadas em Lisboa só na Primavera de 2017

O projecto de bicicletas partilhadas em Lisboa, que será lançado pela EMEL, deverá estar operacional na Primavera do próximo ano. A EMEL vai tentar captar fundos comunitários para o seu financiamento.
Bicicletas partilhadas em Lisboa só na Primavera de 2017
Bloomberg
Lusa 12 de fevereiro de 2016 às 06:59
A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) quer recorrer a fundos comunitários para financiar a rede de bicicletas partilhadas da cidade, que deverá estar em funcionamento na Primavera de 2017.

"Estamos a ver se, no âmbito dos programas do Portugal 2020 e outros programas europeus, podemos candidatar [o projeto]", disse à agência Lusa o administrador da EMEL, João Dias.

Tendo em conta que alguns programas "promovem a mobilidade sustentável (...), temos esperança que um sistema desta natureza possa ter cabimento e ser elegível", acrescentou o responsável, indicando que a EMEL tem vários projetos financiados por fundos comunitários, como o da frota elétrica.

Em Outubro passado, a EMEL lançou um concurso público para "aquisição, implementação e operação do Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas na cidade de Lisboa", com um valor base de 28.904.000 euros e um prazo contratual de 108 meses (nove anos).

Porém, devido à exclusão por questões formais das 10 candidaturas apresentadas - que eram, essencialmente, de empresas estrangeiras -, a EMEL decidiu lançar um novo concurso, o que deverá acontecer "até ao final do mês", estimou João Dias.

Dos critérios de adjudicação fazem parte a "proposta economicamente mais vantajosa" (que vale 50%), a experiência de utilização da bicicleta (30%), as componentes funcionais (10%) e a imagem (10%).

Em causa está uma rede de 1.410 bicicletas distribuídas por 140 estações: 92 no planalto central da cidade, 27 na baixa e frente ribeirinha, 15 no Parque das Nações e seis no eixo central (que abrange as avenidas Fontes Pereira de Melo e da Liberdade).

João Dias salientou que se optou por este modelo de prestação de serviços "pelo custo", já que, além de a EMEL não ter de pagar uma caução ao privado por assumir a incerteza das receitas, ficará também a explorar a publicidade e a bilhética.

De acordo com o plano de negócio do projecto, o passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário 10 euros, pelo que a empresa perspectiva uma receita de 897.321 euros por ano.

Pela publicidade, a EMEL tenciona cobrar 350 euros por bicicleta o que deverá representar um encaixe financeiro anual de 401.220 euros.

O dirigente referiu que o modelo escolhido permitirá ainda "ajustar os tarifários e ajustar o modelo [da rede] em função daquilo que é a procura".

Em Dezembro passado, o vereador do CDS-PP no município lisboeta, João Gonçalves Pereira, criticou o modelo por considerar que os riscos vão recair sobre o município em caso de incumprimento do privado.

João Dias garantiu que "a qualidade da operação está completamente assegurada" e assinalou que o valor médio por bicicleta se centra em 2.906 euros de investimento inicial e em 1.400 euros anuais de manutenção, o que está "dentro dos valores de referência".

O representante adiantou que o concurso já prevê uma "pequena expansão" da rede, que estará articulada com o "programa de ciclovias que a Câmara Municipal está a preparar".

Quanto a prazos, João Dias disse que a empresa tencionar ter o projecto em pleno funcionamento "na Primavera do próximo ano", sendo que ainda este ano deverá "arrancar uma zona piloto".

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.02.2016

"EMEL" a empresa de ladrões ainda espero um dia ver esses sentarem o cu no tribunal,um bando de malfeitores que se apropriaram de um bem publico que pertence a TODOS os PORTUGUESES (as estradas não pertencem a ninguem são de todos) e ganham dinheiro com o que lhes não pertence.

comentários mais recentes
pertinaz 12.02.2016

ROUBALHEIRA


A RAPAZIADA DA CAMARA DE LISBOA PREPARA-SE PARA METER UMAS MASSAS VALENTES AO BOLSO...

FDP 12.02.2016

No dia em que eu for atropelado por um ciclista, VAI HAVER SANGUE

Anónimo 12.02.2016

Na Irlanda custa €10 por ano e toda a gente as usa. Em Lisboa a esse preco ninguem lhes toca.

SOUDAQUI 12.02.2016

Já a fazer propaganda politica para 2017
Não há nada como adiantar serviço. É como no Governo é preciso mudar tudo já.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub