Transportes CP agrava prejuízos para 278,4 milhões de euros em 2015

CP agrava prejuízos para 278,4 milhões de euros em 2015

A CP - Comboios de Portugal agravou os prejuízos para 278,4 milhões de euros em 2015, face às perdas de 159,9 milhões de euros registadas em 2014, divulgou a empresa.
CP agrava prejuízos para 278,4 milhões de euros em 2015
Lusa 29 de abril de 2016 às 20:33

A CP atribui este agravamento à "ausência de indemnizações compensatórias (menos 18 milhões de euros), do reconhecimento de responsabilidades com o pessoal, relativas a anos anteriores, no valor de 27 milhões de euros, e da assunção contabilística do acordo de venda directa de referência da CP Carga (menos 85 milhões de euros), concretizada em Janeiro de 2016".

 

No ano passado, a empresa atingiu "um valor recorde de proveitos de tráfego", ultrapassando os 220 milhões de euros, mais seis milhões de euros do que no ano anterior, "consolidando assim um ciclo de crescimento sustentado que se prolonga há mais de dois anos", refere o comunicado da CP.

 

Os gastos operacionais reduziram-se em 7%, com especial relevo para as poupanças com a energia e com a infra-estrutura.

 

Estes resultados permitiram, de acordo com a transportadora, que o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) se mantivesse positivo em 3,8 milhões de euros, apesar da ausência, pela primeira vez, de atribuição de indemnizações compensatórias.

 

Já o resultado financeiro registou uma melhoria de 95,8 milhões de euros, em função da redução da dívida financeira da empresa em 15%, consequência do apoio do Estado para o financiamento do serviço da dívida e dos investimentos e da descida generalizada das taxas de juro, salienta a empresa.

 

Para 2016, o presidente da empresa, Manuel Queiró, perspectiva "a continuação do crescimento real de passageiros e proveitos, sustentados pelo potencial da gestão de uma rede integrada de serviços, pelo crescimento da economia nacional e em particular da actividade turística e também pela inevitável necessidade de desenvolvimento do transporte público, designadamente, o reforço do modo ferroviário, consolidando assim a trajectória de sustentabilidade".


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

O comunistas os funcionários da CP e respetivos familiares deixaram de pagar os bilhetes!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Isto é o custo que nos temos que pagar para o pcp ter apoiado a geringonca a phoder outra vez o pais.

nuno Há 4 semanas

A CP agrava os prejuízos, mas os funcionários e familiares continuam a andar de borla para onde bem entendem.
Até nem me preocupava nada com isso, se não fosse eu e todos os Portugueses a pagar este regabofe.

Pois é Há 4 semanas

vai piorar que agora já podem andar os parentes dos funcionários à paluncha, vai o primo, vai o tio, vai o sogro tudo à paleta

Anónimo Há 4 semanas

A canhotada quer saber com pressa quem sao as empresas publicas que tem 150 milhoes de euros nas offshores.Vao tambem aqui pedir com pressa como e possivel tao grande divida na cp ano sim,ano sim?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub