Transportes Governo e autarquia preparam novo modelo para transportes de Lisboa

Governo e autarquia preparam novo modelo para transportes de Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa aplaudiu esta quinta-feira a anulação da concessão do Metro e da Carris. Mas recusou falar sobre a cobrança da taxa turística aos passageiros que desembarquem no aeroporto da Portela.
Governo e autarquia preparam novo modelo para transportes de Lisboa
Bruno Simão/Negócios
Ana Serafim 07 de Janeiro de 2016 às 18:53

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medida, avançou esta quinta-feira, 7 de Janeiro, que a autarquia vai trabalhar com o Governo para desenhar um novo modelo de gestão dos transportes públicos da capital, depois da reversão do processo de concessão do Metro e da Carris, que classificou como "boa decisão" por parte do Executivo liderado pelo PS.

O autarca, também socialista, considerou ainda que a nomeação de uma nova administração para as duas transportadoras como uma "boa notícia".

"A concessão era um processo altamente penalizador para a vida da cidade de Lisboa", criticou Medina, à margem de uma conferência da ANA, em Lisboa, onde a gestora aeroportuária anunciou terem passado pelos aeroportos portugueses 38,9 milhões de passageiros em 2015.


"Nos próximos meses vamos trabalhar com o Governo e com os municípios da área metropolitana de Lisboa para encontrarmos o melhor modelo que nos permita exercer as competências de planificação, de gestão e de operação da rede de transportes", salientou. 

Sobre o crescimento de 10,7% no tráfego no aeroporto de Lisboa em 2015 face a 2014, superando os 20 milhões de passageiros, o governante frisou que este resultado coloca a Portela num "novo patamar", salientando que este resultado foi alcançado devido sobretudo à performance desde 2013, graças ao desenvolvimento do turismo na capital.

Nos últimos três anos, o volume de passageiros que passaram pela Portela aumento 4,8 milhões, quando nos oito anos anteriores o aumento tinha sido de apenas 4,6 milhões.


Questionado pelo Negócios, Fernando Medina não quis falar sobre a cobrança da taxa municipal turística que deveria começar a ser cobrada à chegada ao aeroporto no início deste ano. Em 2015, a ANA assumiu o pagamento dessa verba, mas já disse não estar disponível para a financiar em 2016.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.01.2016

O "resto do país" vai continuar a pagar os Transportes de Lisboa e Porto?

Os cangalheiros da extrema esquerda fascista 07.01.2016

Prrparam novo modelo de assalto às chefias como são e sempre foram os golpistas do Ps e Pcp em toda a trampa que sempre fizeram

Anónimo 07.01.2016

Algumas aldeias mais la para o interior ainda deveM existir o modelo que este habeis quer por na cidade teatral OS BOIS E OS BURROS A PUXAREM A CARROCA.

pub
pub
pub
pub