Transportes Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?

Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?

Em Agosto de 2009, um mês antes das autárquicas, houve o anúncio de 30 novas estações. Não avançou. Este ano, estão prometidas duas até 2022. Cristas pede 20. Em 2004, havia a proposta para a linha das colinas.
Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 11 de maio de 2017 às 13:37

Trinta novas estações. Infantado, Hospital Amadora-Sintra, Alcântara e Sacavém são exemplos. Uma linha circular. Um investimento de 2,5 mil milhões de euros. Foi em Odivelas que Ana Paula Vitorino, secretária de Estado dos Transportes, apresentou o plano de expansão do Metro de Lisboa para ser concretizado entre 2010 e 2020. Era 2 de Agosto de 2009. A proposta, da autoria da administração e do Governo de José Sócrates, recebera o voto favorável da Câmara, liderada por António Costa, com a abstenção do PSD.

 

O plano, apresentado mais de um mês antes das eleições legislativas e a dois meses das autárquicas, não se concretizou. Era a altura das obras públicas em Portugal, como o TGV, mas também o período em que a crise financeira mundial se fazia sentir – e no ano seguinte viria a crise da dívida.

 

Naquele mês de Agosto, foi cumprida a extensão da Alameda a São Sebastião mas, desde aí, as únicas extensões do Metro de Lisboa foram a do Oriente ao Aeroporto, em 2012, e da Amadora Este à Reboleira, no ano passado. Ana Paula Vitorino tinha dito que, se o PS ganhasse as eleições de 2009, a expansão do metro aconteceria, criticando o PSD de então, que queria a suspensão das grandes obras públicas. O PS ganhou mas não aconteceu a expansão. E o Governo caiu dois anos depois, com a crise da dívida a atingir Portugal. O Executivo de Passos Coelho congelou o investimento nos transportes.

 

Em 2017, a linha vermelha estende-se entre São Sebastião e Aeroporto e não entre o Alvito e o Hospital Amadora-Sintra, como apontava aquele projecto. A linha circular, que uniria as actuais linhas verde e amarela, com a criação das estações de São Bento e Santos para ligar o Rato ao Cais do Sodré, continua sem existir.

 

O recente anúncio e a resposta de Cristas

 

A 8 de Maio 2017, a cerca de cinco meses das eleições autárquicas, a ideia da linha circular regressa. O Governo, com António Costa na liderança, promoveu uma cerimónia, presidida pelo ministro do Ambiente João Matos Fernandes, para anunciar o plano de desenvolvimento operacional da rede, em que consta a criação de duas novas estações – desta vez, Santos e Estrela – para cumprir a linha circular, até ao final de 2021.

 

Os planos estimam um custo em torno de 500 milhões de euros, que incluem ainda a previsão da extensão da linha vermelha, unindo São Sebastião a Campo de Ourique. Fernando Medina, actual presidente da Câmara que ainda não confirmou se é candidato às próximas eleições, esteve na cerimónia para dizer que espera que, no futuro, haja um prolongamento até Alcântara. Ou a ligação do Campo Grande ao Aeroporto, já prevista no plano de 2009.

 

Foi em resposta a este anúncio que Assunção Cristas, candidata do CDS à presidência do município, propôs, no debate quinzenal com o primeiro-ministro, a expansão da rede com a construção de 20 novas estações, como Loures, Sacavém e Algés. Do conjunto de propostas da deputada centrista, que defende que é necessária "ambição" para o Metro de Lisboa, apenas quatro não constavam já do plano apresentado por Ana Paula Vitorino em 2009.


O PSD continua contra o projecto, por não fazer sentido. À esquerda, também há críticas, adiantando que a prioridade é a regularidade da frequência do metro e a contratação de funcionários. 

 

A carregar o vídeo ...


A linha das colinas

 

Recuando mais tempo, também se encontra o plano de 2004 para o metro, então com António Mexia, actual presidente da EDP, no Ministério das Obras Públicas e dos Transportes. Em Outubro, quando começou a construção da extensão da Alameda a São Sebastião, foi o secretário de Estado dos Transportes, Jorge Borrego, que revelou um projecto do Governo, que ainda carecia de avaliação por parte do Metro.

 

Em causa estava a linha das colinas, que se esperava que pudesse estar operacional em 2010. O objectivo era ligar Campo de Ourique a Santa Apolónia, passando pelo Príncipe Real, Penha de França e Graça. Na altura, o que se sabia era que não poderia ser um comboio tradicional a fazer o trajecto, tendo em conta a inclinação existente no troço.

A ideia do Governo PSD/CDS de Santana Lopes, que tinha entrado em funções em Julho após a saída de Durão Barroso para a Comissão Europeia e que cairia no final daquele ano, nunca se concretizou. Não foi a única. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS Há 1 semana

Foi menos uma concretização do megalómano. Assunção Cristas esteve mal!

comentários mais recentes
IS Há 1 semana

Foi menos uma concretização do megalómano. Assunção Cristas esteve mal!

Anónimo Há 1 semana

A novidade não está na proposta, mas sim no facto de as pessoas já não estarem para ouvir coisas destas; claramente demagógicas. Parece que não aprendemos nada com o processo de ajustamento; as pessoas, cansadas e sofridas, não toleram este tipo de discurso. A Cristas não só revelou estar fora do "momentum", como evidenciou como é tortuosa a sua espinha dorsal.

pub
pub
pub
pub