02 de setembro de 2018 às 15:55
2 – Novos comboios vão demorar a chegar

A administração da CP já apresentou ao Governo um plano de aquisição de novos comboios. No Parlamento, Carlos Nogueira garantiu que o concurso público internacional para a compra "pode ser aberto logo que tenhamos luz verde do Governo".

 

A anterior administração da empresa pública previa a aquisição de 35 comboios, mas o número terá sido reduzido para 28, segundo foi dito aos sindicatos no início do ano. Mas seja como for, o presidente da CP deixou claro que "não é fácil comprar comboios", que se trata de "um processo de produção por encomenda" e "não há muitos fabricantes no mundo".

 

Por isso, explicou que após a publicação do concurso e decididos os meios de financiamento dessa compra "estamos a falar de prazos de três anos a três anos e meio após a adjudicação" para a CP os receber.

 

"Há necessidade evidente de investir em material circulante com montante significativo", disse então Carlos Nogueira, sem especificar. Até lá, assinalou o responsável, a empresa terá de sobreviver com material alugado à espanhola Renfe, neste momento 20 automotoras e carruagens para o Sud Express. "Podemos reforçar o aluguer mas também não é fácil, obedece a requisitos. Não é de um dia para o outro que se aumenta a frota de material alugado", explicou.

 

Devido à falta de capacidade na EMEF, disse ainda encarar a hipótese de avançar com concursos e fazer manutenção e reparação noutras geografias.