Transportes Um A380 mais poupado e o KC-390 entre as "máquinas" do Paris Air Show

Um A380 mais poupado e o KC-390 entre as "máquinas" do Paris Air Show

O salão internacional de aeronáutica de Paris começou esta segunda-feira e as principais empresas do sector aproveitaram para exibir as suas últimas aeronaves. Se a Airbus levou um A380 mais económico, a Boeing pôs na montra o 787 Dreamliner 10. E até há foguetões!
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios
Miguel Baltazar - Fotografia e Bruno Simão - Fotografia

O Paris Air Show começou esta segunda-feira e não foi preciso muito tempo até toda a gente pôr os olhos no céu, tentando acompanhar as demonstrações de agilidade do caça de fabrico francês Rafale, produzido pela Dassault. O evento, que contou com a presença do presidente Emmanuel Macron bem pela manhãzinha, reúne as mais recentes aeronaves e tecnologias do sector no aeroporto de Le Bourget, nos arredores de Paris, em França.

 

Um dos maiores mistérios entre os fanáticos da aviação foi desfeito logo no passado fim-de-semana. Sabia-se que a Airbus tinha novidades para apresentar sobre o superjumbo A380, de dois andares, o maior avião comercial do mundo. Depois de ver as encomendas a diminuir, havia expectativas de que o fabricante pudesse apresentar motores mais eficientes para convencer as companhias aéreas, estendendo-lhe a denominação neo que já é usada pelos "primos" mais pequenos da família A320.

 

A Airbus, porém, não fez muito mais do que acrescentar duas pequenas curvaturas em forma de barbatana nas asas – uma para cima, outra para baixo, denominadas de "winglets". Com este componente, a companhia garante uma redução de combustível de 4%.

 

A Boeing, principal rival da empresa europeia sediada em Toulouse, levou duas das suas jóias praticamente acabadas de polir: o 737 Max 9, para o médio curso, e o 787 Dreamliner 10, com capacidade para 330 passageiros, que foi idealizado para operar rotas de longo curso e substituir o "velhinho" Boeing 767.

 

A Embraer aproveitou para mostrar o seu novíssimo avião militar KC-390, uma aeronave com múltiplas aplicações, como busca e salvamento, transporte e lançamento de cargas e tropas, combate a incêndios, reabastecimento em voo ou evacuação médica. Este avião conta com diversos painéis de concepção e fabrico português – a saber: a fuselagem central, os "sponsons" (compartimento do trem de aterragem) e os lemes de profundidade.

 

Também os ucranianos da Antonov apresentaram o seu mais recente avião An-132. A Bombardier exibiu o seu aparelho CS300, com alcance de 4.600 quilómetros e 145 lugares, com as cores da Baltic Air, e a Mitsubishi (sim, a Mitsubishi) apresentou o seu novo jacto para voos regionais MRJ90 com a pintura da All Nippon Airways (ANA).

 

No Paris Air Show também é possível encontrar dois foguetões da Agência Espacial Europeia (ESA, no acrónimo em inglês): o Ariane 1 e o Ariane 5. O certame decorre até 25 de Junho.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

O Antonov não é Russo mas sim Ucraniano

Anónimo Há 4 semanas

Portugal devia aproveitar a feira do Bourget e comprar 5 Canadair para apagar incendios na vez dos KC-390 porque é uma pouca vergonha com tantos incendios todos os anos andarem ao reboque dos outros

pub
pub
pub
pub