Turismo & Lazer Donos do Autódromo do Algarve exploram regresso da Fórmula1 a Portugal

Donos do Autódromo do Algarve exploram regresso da Fórmula1 a Portugal

As negociações estarão ainda numa fase muito inicial, noticiou o Motorsport.com. Paulo Pinheiro, CEO da Parkalgar, reconhece que tem havido "contactos com vários campeonatos do Mundo, entre os quais o de F1".
Donos do Autódromo do Algarve exploram regresso da Fórmula1 a Portugal
Vírgilo Rodrigues/Sábado

A notícia de que a Fórmula1 poderá estar de regresso a Portugal tem sido frequente nos últimos anos. Hoje este cenário volta a ser notícia, desta vez na imprensa internacional especializada.


De acordo com o Motorsport.com, os donos do Autódromo Internacional do Algarve deram início às negociações com a empresa que controla a Fórmula1 para explorar a possibilidade de fazer regressar o campeonato de F1 a Portugal. O último Grande Prémio de F1 em Portugal aconteceu em 1996, no Autódromo do Estoril.

O portal de notícias especializadas no desporto motorizado avança que terá sido o Governo português a solicitar aos donos do Autódromo do Algarve que explorassem esta possibilidade. O início das conversações já aconteceu, mas estas estão ainda numa fase muito inicial, refere a publicação. 

Contactado pelo Negócios, Paulo Pinheiro, CEO da Parkalgar, Parques Tecnológicos e Desportivos, S.A., que gere o autódromo, disse não ter conhecimento da notícia "em específico", mas reconheceu que tem havido "contactos com vários campeonatos do Mundo, entre os quais o de F1, que é obviamente o mais interessante e aliciante," sem especificar qual o objectivo desses contactos. 


Sem citar qualquer fonte, o Motorsport.com acrescenta que o facto de a economia portuguesa estar em recuperação poderia colocar o Governo numa posição mais confortável para conceder apoios que permitissem o regresso da Fórmula1 a Portugal. Um cenário que exigiria sempre um esforço financeiro considerável por parte dos promotores, nomeadamente para o pagamento do "fee".


A mesma publicação adianta que os donos do Autódromo do Algarve – empresa que já passou um PER em 2013 – têm consciência que será difícil materializar este cenário, já que o mercado da Fórmula1 é muito competitivo e o campeonato do próximo ano já vai contar com uma nova pista (em Paul Ricard, em França).  
  

Os requisitos técnicos não serão um problema, já que a pista localizada junto de Portimão obteve, em Abril deste ano, a homologação máxima por parte da Federação Internacional do Automóvel (FIA), o que lhe permite receber um grande prémio da prova máxima do desporto automóvel.

"Temos vindo a efectuar uma serie de melhoramentos, que nos permitiram obter a aprovação para F1 pela F1 em Abril deste ano, o que foi para nós, motivo de orgulho," afirmou Paulo Pinheiro ao Negócios 

Depois desta homologação, o responsável já tinha dito ao Autosport que "uma corrida de Fórmula 1 será sempre muitíssimo bom e interessante, seja para nós circuito seja para o turismo, já que o impacto económico é enorme e a exposição mediática também, especialmente numa época turística mais baixa como Fevereiro, sem qualquer sombra de dúvida".

"Este ano, estamos empenhados em que o regresso do Mundial de Superbikes, que vai acontecer em Setembro, ao nosso circuito, seja um sucesso, bem como em Outubro a corrida do European Le Mans Series, sendo estas as corridas principais de um cartaz de provas com 12 corridas das quais 2 de 24h," acrescentou ao Negócios.

 

Contactado, o Turismo de Portugal disse desconhecer quaisquer conversações para que o autódromo do Algarve venha a receber a competição. O Negócios contactou ainda o gabinete da secretária de Estado do Turismo, o Turismo do Algarve e a empresa responsável pela Formula 1 mas até ao momento não foi possível obter resposta. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
xras45 08.06.2017

A Fee (taxa) da Mercedes em 2016 foi de 4,5 milhoes de euros !
Não é nada que não se consiga arranjar. O que a F1 traz em termos de receitos é no minimo 10 a 20 vezes mais do que a Fee. Sem falar do turismo associado.

Anónimo 06.06.2017

Estarei lá ! Da última vez foi com muita chuva no Estoril...

pub
pub
pub
pub