Turismo & Lazer Hotelaria portuguesa com melhor trimestre dos últimos dez anos

Hotelaria portuguesa com melhor trimestre dos últimos dez anos

A taxa de ocupação nos estabelecimentos hoteleiros subiu, no primeiro trimestre deste ano, para 55%, o valor mais alto desde 2007.
Hotelaria portuguesa com melhor trimestre dos últimos dez anos
Pedro Zenkl/Correio da Manhã
Negócios 19 de junho de 2017 às 12:38

A hotelaria portuguesa registou, entre Janeiro e Março, o seu melhor trimestre dos últimos dez anos. De acordo com o AHP hotel snapshot, o retrato da performance da hotelaria nacional produzido pela AHP - Associação da Hotelaria de Portugal – a taxa de ocupação situou-se em 55% nos primeiros três meses deste ano, um aumento de quatro pontos percentuais face ao mesmo período de 2016, e o valor mais alto desde o pico de 2007. O RevPAR (receita por quarto disponível) aumentou 13% face ao período homólogo e 22% face ao primeiro trimestre de 2007.

Segundo o estudo, Madeira, Lisboa e Grande Porto lideram a taxa de ocupação no primeiro trimestre com 75%, 67% e 56%, respectivamente. Nestes dois últimos destinos, o crescimento face ao período homólogo foi de 10%.

Entre Janeiro e Março, Portugal registou um total de 8,8 milhões de dormidas em empreendimentos turísticos, das quais 86% ocorreram em hotéis, hotéis-apartamento e pousadas. Já o número total de hóspedes ascendeu a 3,4 milhões em todos os empreendimentos turísticos, mais 6,4% do que em igual período do ano passado e 48% face ao primeiro trimestre de 2007.

Destes, o mercado com maior crescimento foi o brasileiro, com mais 68% face ao ano anterior, seguido do mercado polaco (40%) e do norte-americano (34%).

Em termos de quota, porém, o Brasil detém 9%, os EUA 4% e a Polónia 2%, enquanto os mercados tradicionais continuam a liderar com o Reino Unido, Alemanha, Espanha e França a representarem conjuntamente 49% do total dos mercados externos.

O AHP hotel snapshot refere ainda um aumento de 18% no número de empregados no sector de Alojamento, perfazendo um total de 62 milhares de pessoas, número que deverá aumentar com 41 novos hotéis previstos até ao final de 2017, aos quais se somam 11 que já abriram.

Turistas deverão reduzir estadia e orçamento este ano

Segundo o AHP hotel snapshot, as perspectivas de férias dos europeus reforçam a intenção de viajar dos principais mercados europeus. Contudo, os turistas pretendem diminuir a duração da estadia para 1,9 semanas e o orçamento médio para 1.989 euros.

Os hotéis apresentam-se como a primeira opção de alojamento para este Verão, em particular para o mercado brasileiro e norte-americano, com 59% e 57%, respectivamente.

O turismo urbano é uma das grandes tendências de procura e o sentimento de segurança do país é apontado como um dos principais critérios de decisão, seguidos do clima, cultura e gastronomia. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Juca Há 4 semanas

E porquê? Porque temos um governo de esquerda, os trabalhadores são dedicados. Enfim, só não é uma governação estilo Cuba ou Venezuela porque ainda não atingimos o clímax de taís regimes.

5640533 Há 4 semanas

A hotelaria trabalha com horários de sofrimento, com horas extras não pagas e ainda não ouvi nenhum patrão falar em aumentos dos ordenados como resultados últimos anos bons.

Anónimo Há 4 semanas

Aproveitar para lembrar os TUGAS que têm de continuar a pedir facturas senão os milhões do turismo vão todos para o galheiro...

Anónimo Há 4 semanas

Isto quer Dizer muitos Lucros para alguns
Muito trabalho para muitos e pouco ordenado que nem chega para ter uma vida decente e desafogada.

pub