Turismo & Lazer Mercado de Anthony Bourdain em Nova Iorque começa a ganhar forma

Mercado de Anthony Bourdain em Nova Iorque começa a ganhar forma

Há cerca de um ano, o reputado chef, autor e apresentador de televisão Anthony Bourdain anunciou que se preparava para abrir um mercado em Nova Iorque e desde então o burburinho na indústria nunca mais parou. Esta segunda-feira, o New York Times revelou mais alguns pormenores.
Mercado de Anthony Bourdain em Nova Iorque começa a ganhar forma
Reuters
André Vinagre 29 de setembro de 2015 às 19:30

"Vai ser transparente e autêntico. Caótico no bom sentido, com vendedores ambulantes e sítios onde comer", descreveu Anthony Bourdain ao New York Times esta segunda-feira, dia 28 de Setembro. Este mercado de restauração vai ser construído no cais 57 do rio Hudson, mas só daqui a dois anos.

 

O gastrónomo Anthony Bourdain, que no decorrer dos seus programas já passou pelos Açores, Porto e Lisboa, anunciou agora que tinha conseguido arrendar o cais 57 junto ao rio Hudson, um dos maiores cais do rio e da cidade de Nova Iorque.

 

É aqui que, daqui a cerca de dois anos, irá abrir ao público o Bourdain Market: uma vasta colecção de 100 comerciantes de retalho, grossistas, vendedores de peixe, talhantes, padeiros e artesãos provenientes não só de Nova Iorque, mas de todo o Mundo. O mercado contará também com vários restaurantes.

 

Anthony Bourdain comparou o projecto com um mercado asiático à noite, onde se pode "comer e beber à meia-noite", disse ao New York Times.

 

Anthony Bourdain diz que o coração deste projecto será o mercado ambulante de Singapura, que terá um espaço para refeições rodeado de pequenas bancas de comida de rua de todo o Mundo, desde o presunto espanhol às massas chinesas.

 

Os parceiros de Anthony Bourdain no projecto dizem que o mercado vai funcionar durante todo o dia e esperam 20 mil visitantes diariamente.

 

"A maneira como as pessoas comem mudou. As pessoas querem estar ao balcão ou em mesas comuns. Querem que o picante das asas de frango lhes pegue fogo ao cabelo e querem gabar-se do melhor prato de laksa (sopa típica de Singapura) por três dólares que comeram. É isso que eu quero criar em Nova Iorque, um sítio onde eu queira ir comer. Agora, não há nada do género", explicou Anthony Bourdain. Um dos empreendedores parceiros de Bourdain resumiu, dizendo que "as pessoas querem que os seus programas ganhem vida".

 

O cais 57, onde vai estar localizado este mercado, foi construído em 1952 e está vazio desde 2003. Anthony Bourdain conseguiu arrendar o espaço num acordo com os seus actuais donos, a empresa de imobiliário Youngwood & Associates e a RXR Reality. Segundo o New York Times, Bourdain já terá contratado a empresa que projectou os restaurantes Lafayette, a Roman & Williams, para projectar este mercado, numa operação de 60 milhões de dólares (53,2 milhões de euros).

 

Nos últimos dez anos, Anthony Bourdain tornou-se conhecido pelas suas viagens em programas como "No Reservations", "The Layover" e "Parts Unknown", onde procura conhecer cada país através da sua gastronomia.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub