Turismo & Lazer Turismo cria linha de apoio à consolidação financeira no valor de 150 milhões

Turismo cria linha de apoio à consolidação financeira no valor de 150 milhões

Depois da linha de apoio à tesouraria, o Governo apresentou a nova linha de apoio à consolidação financeira destinada ao turismo, com o valor de 150 milhões, com vista a alargar os prazos de reembolso dos empréstimos das empresas do sector, anunciou o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes.
Turismo cria linha de apoio à consolidação financeira no valor de 150 milhões
Bruno Simão
Ana Torres Pereira 12 de junho de 2013 às 19:37

O secretário de Estado sublinhou que o Governo está empenhado na reestruturação do sector do turismo. No entanto, a esta nova linha “nem todas as empresas podem aceder, ficam de foram aquelas que tiverem dívidas ao fisco e à segurança social”, esclareceu Adolfo Mesquita Nunes, num encontro com jornalistas.

 

O objectivo deste instrumento é alargar o prazo de reembolso dos empréstimos. Esta linha é uma partilha de risco entre a banca e as Sociedades de Garantia Mútua, de forma a poderem alargar os prazos de pagamento dos empréstimos das empresas do sector.

 

“Esta linha tem especial impacto nas PME, uma vez que os bancos são mais sensíveis a rever os prazos dos empréstimos das grandes empresas”, referiu o governante.

 

Mesquita Nunes disse não ter estimativa de quantas empresas poderão aceder a esta linha, contudo disse que “esta linha é essencialmente para empresas que continuam a cumprir as suas responsabilidades, mas já estão em muitas dificuldades”.

 

A linha estará em vigor até 2015 e as Sociedades de Garantia Mútua garantem um máximo de 40% do valor da operação, com um limite de 1,5 milhões de euros e as garantias não poderão exceder os 6 milhões de euros. As taxas de juro não podem ser superiores às previstas na tabela em vigor na PME Crescimento 2013.

 

Mesquita Nunes adiantou ainda que esta linha poderá funcionar em articulação, com a de apoio à tesouraria já criada. Assim, pode ser aprovado pelo banco um crédito intercalar, para fazer face a necessidades imediatas de tesouraria, no valor máximo de 125 mil euros que pode ser utilizado para regularização de situações perante a administração fiscal e a segurança social.

 

Este crédito intercalar terá uma garantia autónoma prestada pelas Sociedades de Garantia Mútua, pelo valor correspondente de 50% do mesmo.


Aderiram a esta linha o BPI, o BES, o Banco Internacional do Funchal, o Santander Totta, o Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo, a CGD, o Montepio e o BCP.

 

A linha de apoio à tesouraria foi lançada em Maio e tem o valor de 80 milhões de euros. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
joaopires5 13.06.2013

ESTE GAJO QUE É MAIS UM LIC. EM DIREITO PPTC (Mestre em Ciências Jurídico-Políticas ) QUE SABE PORRA NENHUMA DE GESTÃO, ECONOMIA E FINANÇAS....VAI GERIR UMA PASTA DA ECONOMIA? NUNCA TRABALHOU NA VIDA PARA CRIAR RIQUEZA...NÃO BASES MÍNIMAS DE MATEMÁTICA...NUNCA SOUBE PORRA NENHUMA DE TURISMO...

joaopires5 12.06.2013

ESTE GAJO É UM INGÉNUO E IGNORANTE. NUNCA NA VIDA SOUBE GERIR UMA EMPRESA OU SEQUER CRIAR UMA....VÃO-LHE MAMAR O NOSSO DINHEIRO

A.Santos 12.06.2013

O homem farta-se de anunciar...Só é pena que não passe de propaganda, não é?

pub